Edinho Silva trabalhou como tesoureiro da campanha da presidente Dilma Rousseff à reeleição no ano de 2014. Antes disso, ele já havia sido Ministro da Comunicação Social do governo da representante do Partido dos Trabalhadores (PT). De acordo com o jornal O Estado de São Paulo, em reportagem publicada neste sábado, 02, Edinho buscaria fazer uma espécie de "auto delação", antecipando-se à uma possível operação da Lava Jato. Tudo isso teria o objetivo de mostrar que o ex-Ministro está disposto a colaborar. O gestor conseguiria ainda se afastar da delação feita por outro tesoureiro, João Vaccari Neto, que trabalhava no financeiro do próprio #PT

O jornal paulista diz que Edinho procurará através de sua defesa à Polícia Federal, tentando um depoimento espontâneo.

Publicidade
Publicidade

Dessa forma, ele conseguiria, por exemplo, evitar que policiais invadam sua casa em possíveis mandados de busca e apreensão, além de quebra de sigilo, podendo chegar, no pior dos casos, em uma prisão preventiva. A medida do ex-Ministro pode espantar, mas aparece em um momento em que diversos nomes do PT estão sendo presos e investigados. 

A advogada de Edinho, Maíra Beuchamp Samoli, contou ao 'Estado de São Paulo' que o principal objetivo da defesa é provar que o companheiro de Dilma não tem nada a ver com o que Vaccari tem dito em sua delação, muito menos teria qualquer relação criminosa com ele. O ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores foi condenado há mais de vinte anos de prisão e está cumprindo essa pena desde abril do ano passado. 

A decisão da defesa de Edinho aparece depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) reiterou a decisão de manter que a investigação fosse conduzida pelo juiz federal Sérgio Moro, tendo que responder na chamada 'República de Curitiba'.

Publicidade

Os advogados do ex-Ministro chegaram a tentar mudar isso, mas não conseguiram.

O problema todo é saber até que ponto Vaccari pode fazer Edinho se dar mal, já que efetivamente ele não seria acusado de nada até agora pelos investigadores, mas já se defende.  #Crime