A presidente afastada Dilma Rousseff parece  não se preocupar tanto em economizar, mesmo sabendo que o Brasil passa por uma das suas maiores crises de toda a história. De acordo com o colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder, em matéria publicada neste domingo, 24, a representante do Partido dos Trabalhadores (PT), ajudou o governo federal a chegar a marca de quase 23 milhões de reais gastos só em cartões corporativos nos seis primeiros meses deste ano. As informações que irritam muita gente teriam partido do Portal da Transparência. É preciso lembrar que todo esse dinheiro saiu do bolso do contribuinte, ou seja, do seu bolso.

Apenas sozinha, através do seu gabinete, Dilma que é acusada de gostar muito de mordomias, gastou quase três milhões de reais, mais de 10% de todo o valor do governo federal.

Publicidade
Publicidade

O site diz que esses dados tecnicamente seriam protegidos por "sigilo", mas faz a divulgação dos números que são de impressionar qualquer brasileiro, especialmente àqueles que tem dificuldade até mesmo de realizarem as compras do mês. A conta de Dilma só sobe quando são somados os cartões usados por agentes que servem diretamente à ela, como a Agência Brasileira de Inteligência, a Abin. Aí o número já chega a quase sete milhões de reais. 

O colunista Cláudio Humberto explica que esses números são explicados porque muito dinheiro está sendo gasto com a segurança da petista. Recentemente, a revista Isto É publicou uma reportagem mostrando a filha de Rousseff, Paula, fazendo o uso de veículos oficiais e de seguranças para ir até à clínicas de estética e ao petshop. O presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, teria gasto no mesmo período cerca de R$ 306 mil, quase dez vezes menos do que Dilma sozinha.

Publicidade

No entanto, é bom lembrar que o período conta boa parte do tempo em que Rousseff ainda estava no poder.

A companheira política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi afastada no dia 12 de maio, quando 55 Senadores assim decidiram em uma votação histórica. Os gastos devem chegar a quase zero, caso a deposição aconteça já no mês que vem.  #Dilma Rousseff