A apresentadora Fernanda Lima entrou no meio de uma enorme polêmica política. Ela é capa desse mês da revista 'JP'. À publicação, ela comentou amenidades, como o casamento com o cozinheiro e ator Rodrigo Hilbert, seu trabalho na Rede Globo de Televisão e decidiu alfinetar o deputado federal Jair Bolsonaro, eleito pelo PSC do Rio de Janeiro. Questionada pela revista se ela receberia Bolsonaro em programas que apresenta, como o reality show de música 'SuperStar' e  o 'Amor & Sexo', ela disse que não. Fernanda argumentou que não tem qualquer interesse em trazer o político como seu convidado. Rapidamente, os fãs e eleitores do deputado federal passaram a detoná-la nas redes sociais. 

De acordo com Fernanda Lima, não há qualquer motivou para "poluir o programa" dela com alguém como Bolsonaro, que tem uma filosofia, segundo ela, diferente da do seu público.

Publicidade
Publicidade

Em seguida, ela deu declarações ainda mais fortes sobre o pré-candidato À presidência da república em 2018. "Pessoas com pensamentos retrógrados e fundamentalistas só fazem atrapalhar a sociedade, trazer negatividade, violência e repressão que estão dentro delas mesmas”, disse ela parecendo não temer qualquer tipo de represália por comentar política em um ano de crise histórica nessa área para o Brasil. 

Em um grupo a favor de Bolsonaro, a apresentadora loira da TV Globo tem sido alvo de represálias. "O lixo é você", dizia uma postagem com a foto da apresentadora e a frase em que ela fala que Jair "poluiria" seu programa. Imagens da TV Globo com um "X" também podem ser vistas nesse grupo. Até o momento, o político criticado por Lima na reportagem não comentou as críticas feitas por ela. A TV Globo também não comenta as opiniões políticas de seus contratados, mas constantemente leva pessoas polêmicas a seus programas para debates.

Publicidade

O próprio Bolsonaro já deu diversas entrevistas para a emissora. 

A crítica a Bolsonaro aparece em um momento em que ele tenta consolidar sua candidatura à presidência. No entanto, o político corre o risco de ser barrado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). #Governo #É Manchete!