No domingo, 17, um funcionário de um hotel na cidade de Paulínia, em São Paulo, teria estuprado uma mulher. A vítima acusa o homem de ter feito tudo dentro da própria unidade. O abuso sexual teria sido feito contra a hóspede. O suposto estuprador trabalharia, segundo uma reportagem da revista Exame, no 'IBIS'. Ele teria percebido que a vítima brigou com o namorado. Irritado, o acompanhante da jovem deixou ela sozinha no quarto. Como o funcionário possui todas as chaves do empreendimento, com uma chave mestra ele teria realizado a ação. 

De acordo com a reportagem da 'Exame', a Polícia Civil procurou imagens de um circuito de segurança e tentou identificar o suspeito.

Publicidade
Publicidade

As imagens provariam que ele entrou no quarto. O homem, que não teve o nome identificado, teria confirmado que realmente estuprou a mulher. A vítima confirmou que ele era o autor do #Crime. De imediato, o homem foi preso preventivamente. Agora um inquérito deve ser aberto contra ele. A prisão temporário deve virar preventiva, até que a investigação e o julgamento chegue ao final. 

Quem está a cuidar do caso é o delegado Rodrigo Luís Galazzo. O profissional diz que as imagens mostram claramente o funcionário entrando no quarto da hóspede. Depois de supostamente ter realizado o estupro, ele sai correndo do local. O delegado diz que no começo o homem chegou a negar o estupro, mas que depois de ver o vídeo preferiu confessar o crime com tantas evidências. "Parece que ela adormeceu e ao acordar já estava sendo violentada, ocasião em que gritou e foi agredida”, informou o profissional de segurança. 

O hotel disse à revista Exame que está colaborando com a apuração.

Publicidade

Já se sabe agora que durante a briga do casal outros três funcionários teriam entrado no local. 

Este não é o primeiro caso de estupro que chama a atenção da opinião pública. Neste ano, um caso de violência sexual envolvendo uma menina de 16 anos no Rio de Janeiro teve repercussão internacional. Tudo depois que um vídeo do assédio foi divulgado nas redes sociais.  #Investigação Criminal