Nesta sexta-feira, 22, a TV Senado exibiu uma entrevista com as senadoras Ana Amélia (PP-RS) e Gleisi Hoffmann (PT-PR). Apesar do recesso, o material é bem esclarecedor e mostra uma "surra" que Ana Amélia dá em Gleisi.  As duas analisam o processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). Ana deixa claro que a campanha eleitoral de Dilma foi enganadora e que o Brasil hoje paga com mais de 11 milhões de brasileiros.

"Ela chegou a dizer que ia fazer o diabo para ganhar a eleição", lembrou a Senadora, que ainda citou o fato de milhares de brasileiros terem ido às ruas para pedir o impeachment da presidente.

Publicidade
Publicidade

Para ela, os brasileiros se irritaram pelo fato de terem sido enganados. Em agosto, o Senado terá de decidir se a presidente afastada volta ao poder ou se o vice e atual presidente interino Michel Temer, do PMDB, assume a Presidência até haver novas eleições, o que teoricamente aconteceria apenas em 2018. As duas também divergem sobre o papel da perícia.

Para a petista, a perícia deixa claro que Dilma não cometeu qualquer crime. Ela ainda disse que pedaladas fiscais não são um crime e que o Ministério Público já havia confirmado isso. Em contrapartida, Gleisi confirma que Rousseff assinou três decretos, mas que esses teriam tido a mão do Ministério do Planejamento e de técnicos que trabalham exatamente com isso. 

Gleisi ainda disse que ainda dá para mudar a votação do Senado, quando no fim de agosto deve ser votado se ela será deposta ou não.

Publicidade

Mesmo com o placar amplo da primeira votação, com 55 votos que decidiram pelo afastamento, Ana Amélia disse que o mais importante eram os Senadores votarem com bastante consciência nesse momento tão importante para o país. 

Hoffmann ainda garantiu que prefere que Dilma venha ao Plenário para fazer a sua defesa, mas que fez bem de não ir na comissão.

Veja abaixo a primeira parte da entrevista dada para a TV Senado:

Veja abaixo a segunda parte da entrevista que foi exibida pela TV estatal do Senado:

#PT