Diversas notícias em sites e blogs datadas de um passado recente mostram a ligação entre a Senadora Gleisi Hoffmann, eleita pelo Partido dos Trabalhadores (PT) do Paraná, com a indicação do Ministro Néfi Cordeiro, do Supremo Tribunal de Justiça (STJ). Além de Gleisi, de acordo com uma nota publicada nesta segunda-feira,  11, pelo blog 'O Antagonista', o Ministro teria recebido apoio também do ex-deputado federal André Vargas. O blog lembra que Vargas participou da posse do representante do Supremo Tribunal de Justiça e que depois foi cassado na Câmara dos Deputados pelo envolvimento com o doleiro Alberto Youssef.

Em entrevista a alguns blogs, Vargas fala que a indicação do Ministro foi "obra" de Gleisi, Senadora que recentemente teve o seu marido preso por conta da 'Operação Custo Brasil', que apura os desvios de dinheiro em créditos consignados envolvendo servidores públicos federais.

Publicidade
Publicidade

"A indicação do competente desembargador Néfi Cordeiro para o STJ representa uma conquista para todos nós paranaenses", chegou a dizer o político cassado posteriormente por estar envolvido em um esquema de corrupção. 

O mesmo Ministro, que teve a ilustre presença de Vargas em sua posse, decretou na semana passada que Carlinhos Cachoeira poderia sair da cadeia, mesmo com a polêmica envolvendo a falta de tornozeleiras. O blog político ainda brinca com a fala de Vargas, que chega a dizer que a escolha de Néfi foi uma conquista para o povo do Paraná, reduto eleitoral da Senadora Hoffmann, e diz que também foi uma conquista para nomes que respondem a processos judiciais, citando os nomes de Fernando Cavendish, Claudio Abreu, Adir Assad e Marcelo Abbud.

Durante sua prisão pela Polícia Federal, Carlinhos Cachoeira protagonizou uma grande polêmica.

Publicidade

Ele foi flagrado dando gargalhadas no camburão dos agentes da lei. Já na cadeia, Cachoeira precisou raspar a cabeça, assim como ocorre com os demais presos homens, despindo-se assim dos risos e de qualquer vaidade que pudesse ainda ter. Ele, como mencionamos, não está mais recluso.  #Governo #PT