A década de 1990 foi marcada por uma guerra entre o SBT e a TV Globo. Naquela época, o apresentador Carlos Massa, vulgo Ratinho, acabara de ser contratado por Silvio Santos. Ele era um estouro de Ibope na TV Record e não só repetiu o sucesso, como também o aumentou ao trocar de emissora. O Ibope de Ratinho e seu programa popular e inovador para a época eram tão altos que fizeram o SBT chegar a passar inúmeras vezes o canal da família Marinho. Um dos maiores fregueses da audiência naquele período era o 'Casseta & Planeta'. 

A Globo então decidiu partir para o ataque. Reportagens exibidas pelo canal diziam que boa parte do que ia ao ar no programa eram mentiras.

Publicidade
Publicidade

Em 1998, durante o principal telejornal da emissora, o 'Jornal Nacional', um dos mais experientes repórteres do canal, Marcos Losekann, acabou sendo porta voz de uma denúncia feita pelo Ministério Público de São Paulo que pedia até a cassação do SBT. O jornalista entrevistou algumas pessoas que participavam do quadro do 'DNA'. Os entrevistados revelaram que tudo o que era contado no programa era mentira e que só fizeram a encenação por dinheiro. 

A atração também teria exibido um corpo dilacerado, o que gerou polêmica na época. O programa do Ratinho não chegou a ser extinto do SBT, mas seu sucesso obrigou Carlos Massa a amenizar no tom. Quase 18 anos depois, Ratinho volta a voar no Ibope. Batendo de frente com o final de 'Velho Chico', que mostra uma trama bem parada e com os seriados da Globo, a atração tem números constantemente excelentes. 

Nessa semana, o G1, portal de notícias da Globo, colocou na primeira página outra denúncia contra o apresentador.

Publicidade

Dessa vez, ele foi condenado pelo Tribunal Superior do Trabalho, o TST, a deixar funcionários de sua fazenda em Minas Gerais em regime de trabalho análogo ao da escravidão. Os advogados de Ratinho vão recorrer da decisão, que quer que ele pague a quantia de R$ 200 mil por danos morais coletivos. E você, o que acha disso tudo? 

Veja abaixo a reportagem exibida em 1998 pelo 'Jornal Nacional':

#Crime