Está cada vez mais claro que existem pessoas que apoiam o Estado Islâmico no Brasil. O que até então parecia a coisa mais improvável de acontecer tem sido registrado nos últimos tempos. Nesta segunda-feira, 18, por exemplo, a dezoito dias para os jogos olímpicos do Rio de Janeiro, um grupo deixou claro que apoia à entidade terrorista. O grupo extremista se pronunciou através do canal "Ansar al-Khilafah #Brazil", que funciona por meio de um aplicativo de mensagens muito famoso em todo o mundo, o Telegram, uma espécie de WhatsApp, mas que tem outras funcionalidades. O canal de mensagens foi descoberto através de um monitoramento feito pelo SITE intelligence Group

A diretora da instituição de monitoramento do terror, Rita Katz, informou que o grupo extremista brasileiro  é o primeiro a se formar na América  do Sul a jurar lealdade ao grupo terrorista, que no fim de semana reivindicou a autoria de um atentado feito por um caminhão na cidade de Nice, na França.

Publicidade
Publicidade

Rita ainda vê com preocupação como esse tipo de grupo tem crescido no país e alerta para o engamento dos membros, além da proximidade das Olimpíadas. O #Governo brasileiro, através do Ministério da Defesa, decidiu reformar diversas manobras de segurança do maior evento já realizado no país. São esperadas pelo menos 500 mil pessoas para assistirem aos jogos.  

Com a palavra os militares do Brasil

O governo brasileiro já havia confirmado que sabia da existência de troca de mensagens de brasileiros com o Estado Islâmico através do Telegram. A Agência Brasileira de Inteligência, a Abin, disse que monitora todas as pessoas que usam o aplicativo e fala que a possibilidade de atentado no Rio de Janeiro é bastante improvável, porém não impossível. Por conta disso, os oficiais da Força de Segurança estão realizando treinamento pesado e também tiveram reforços de equipamentos.

Publicidade

Até um Boing foi alugado e ficará no aeroporto internacional Tom Jobim. Ele será usado para uma possível eventualidade, que é tudo o que as autoridades do Brasil querem evitar.  #Terrorismo