Não está fácil para o atual prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores (PT), vencer a campanha de reeleição. Faltando um mês para o início da campanha eleitoral, o político que defende a presidente afastada Dilma Rousseff aparece entre os últimos na pesquisa do Datafolha. Ele tem apenas 8% das intenções de votos e nas redes sociais os paulistas já fazem brincadeiras, dizendo que nem a mãe de Haddad vota nele. Em primeiro lugar, com grande diferença para os demais, aparece o deputado federal e apresentador de televisão Celso Russomanno, do PRB. A agora peemedebista Marta Suplicy é a segunda melhor colocada, tendo 16%.

Publicidade
Publicidade

Em terceiro lugar aparece a candidata do PSOL, a ex-prefeita Luiza Erundina. Fernando Haddad só aparece em quarto, empatado tecnicamente (por conta da margem de erro da pesquisa )com João Dória, que tem 6%, e próximo também de Marco Feliciano, pastor evangélico que deve tentar a prefeitura pelo PSC. Os números mostram como os petistas estão sendo muito rejeitados na capital paulista. Mesmo tendo toda a máquina pública a seu favor, Haddad é menos popular que a candidata do PSOL. E agora nem falta tanto tempo assim para a eleição. Seria comum, pelo fato dele ser o atual prefeito, os paulistas responderem que votariam nele, mas não foi isso o que aconteceu. 

De todos os entrevistados, 45% deles afirmaram categoricamente que não votariam no atual prefeito de São Paulo de jeito nenhum.

Publicidade

Ele tem rejeição maior até mesmo do que o polêmico pastor Feliciano, cuja rejeição é de 32%. O representante do PSC vem colado em Marta Suplicy, rejeitada por 31%. Até mesmo em uma simulação de segundo turno entre Haddad e o quinto colocado, Dória, o petista perderia com uma diferença de 4%, caso as #Eleições fossem durante o período da pesquisa. 

A Eleição em São Paulo será um termômetro para o #PT para o pleito em todo o país. Muitos dos políticos que eram filiados à legenda pularam do barco com o marketing negativo de Dilma e como isso faz perder votos.