Paulo César de Barros Morato. Um homem de 47 anos que era procurado pela Polícia Federal. A morte dele ocorreu por circunstâncias estranhas. Seu corpo foi encontrado no mês passado dentro de um motel de Olinda, em Pernambuco. A perícia constatou que ele tomou o popular "chumbinho", usado geralmente para matar ratos. A principal suspeita dos agentes que investigam o caso é que Paulo tenha se suicidado. No entanto, amigos creem que ele possa ser vítima de uma "queima de arquivo", pois sabia demais. 

Antes de aparecer morto, Paulo era foragido da Polícia Federal. Ele era alvo da 'Operação Turbulência', considerado peça central da investigação que se desmembrou de outra, que apurou as circunstâncias da #Morte do pernambucano Eduardo Campos, do PSB.

Publicidade
Publicidade

Campos disputava em uma chapa com Marina Silva a presidência da república em 2014, quando morreu em um acidente de avião. A morte foi depois dele se apresentar em uma entrevista exibida ao vivo no 'Jornal Nacional', da TV Globo.

Até hoje, a morte de Eduardo Campos é cercada de muito mistério. A Polícia Federal diz que a empresa que comprou o avião utilizado pelo ex-governador de Pernambuco estava envolvida em diversos crimes e que o candidato do PSB pode ter sido beneficiado com eles. Até mesmo a compra da aeronave que matou o candidato estava sob suspeita. Uma reportagem publicada neste domingo, 03, pelo jornal 'O Estado de São Paulo'  classifica Paulo César como um "Arquivo morto". 

Os últimos anos de vida dele foram de muita discrição, pouco falava com vizinhos. Alguns entrevistados pelo jornal diziam até acreditar que o empresário pudesse ter ganho na MegaSena e que, por isso, teria o comportamento pouco comunicativo e evitando intimidades. 

Paulo era a peça central.

Publicidade

Ele participou da compra do avião que matou o ex-governador Campos. Foi ele também que autorizou a ida de Eduardo à viagem que levou à sua morte. Amigos que acreditam que ele sabia demais e que não se matou, mas sim foi vítima de uma emboscada. Isso apenas as investigações poderão dizer, mas por enquanto, elas apontam outro caminho, o do cometimento de suicídio.  #Investigação Criminal