Lançado no último dia 27 de junho, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Atlas Nacional Digital do Brasil 2016 é fruto do aprimoramento do Censo Demográfico de 2010 e da incorporação do Atlas Nacional do Brasil Milton Santos, também publicado em 2010 incorporando, ainda, 170 mapas com informações demográficas, econômicas e sociais, todas atualizadas. Nele está o "O Caderno Temático: Populações Indígenas", com um mapeamento inédito sobre a localização e a movimentação dos povos indígenas em todo o território nacional nas últimas décadas.

O último censo (2010) constatou uma população de 899,9 mil indígenas vivendo em terras brasileiras.

Publicidade
Publicidade

Dessa população, 57,8% (517,4 mil) vivem em território indígena oficialmente reconhecido como tal, enquanto 33,3% (298,8 mil) vivem em áreas urbanas. O restante, 8,9% (80,6 mil), habitam áreas rurais diversas, inclusive terras indígenas ainda não demarcadas.

A população indígena brasileira engloba um total de 305 etnias que, por sua vez, falam 274 línguas. Essa realidade sociocultural faz do Brasil um dos países de maior diversidade de todo o mundo. Os índios Xavante e os índios Guarani estão entre as etnias mais numerosas, ocupando vários estados da Região Centro-Oeste (Xavante) e do Sul e Sudeste (Guarani) do país.

Algumas curiosidades se destacam nos dados do censo como, por exemplo, o fato de que o Estado de São Paulo possui mais índios do que o Estado do Pará. Ainda, a cidade de São Paulo ocupa a quarta posição em número de indivíduos de população indígena em aldeamentos periféricos, enquanto a primeira é São Gabriel da Cachoeira, AM.

Publicidade

Um fato que chamou a atenção dos pesquisadores foi a redução do percentual de indígenas que residem em áreas urbanas, sinalizando um movimento no sentido inverso ao observado no restante da população nacional. É possível que esse movimento tenha se dado em razão do retorno às terras tradicionais, reivindicando sua posse, ou ainda como resultado das demarcações de terras indígenas concluídas, garantindo-lhes a permanência em definitivo.

O Atlas Nacional Digital do Brasil 2016 pode ser facilmente acessado no site do IBGE. #Sustentabilidade