Se você já ficou triste com os bloqueios do #WhatsApp, saiba que agora, além do dele, as duas principais redes sociais aqui no Brasil (#Facebook e #Instagram) também correm o mesmo risco de sofrerem com um bloqueio. 

Sem WhatsApp, Facebook e Instagram, o que você faria?

Após vários bloqueios, o Ministério Público Federal do Amazonas também entrou com uma ação, e o motivo continua sendo o mesmo dos outros: o fato de o maior serviço de troca de mensagens do país, da rede de Mark Zuckerberg, não compartilhar certas informações que são essenciais para casos de investigações criminais.

E, dessa vez, parece que a coisa ficou ainda mais complicada para Mark, pois foram congelados cerca de R$ 38 milhões da conta do Facebook no país.

Publicidade
Publicidade

Desta forma, todos os serviços acabariam sendo bloqueados no Brasil. O Ministério Público de Amazonas divulgou que esse montante, seria o total das multas somadas, para todos os dias em que a empresa de Zuckerberg não acatou a decisão judicial, de colaborar e compartilhar todas as informações solicitadas.

Em nota, o Facebook Brasil informou que não tem como colaborar, pois as informações que a Justiça precisa, que são as mensagens do WhatsApp e também os cadastros, estão sob total responsabilidade das companhias dos EUA e da Irlanda e fora da alçada da sede por aqui.

Em grande parte dos casos do bloqueio, o WhatsApp acabou sendo liberado novamente antes do que foi previsto, mas, no caso do possível bloqueio que ocorreria com o Facebook e o Instagram, existem preocupações maiores. Além de serem as redes sociais mais acessadas pelos usuários no Brasil, também são importantes redes publicitárias, pelas quais, pequenas, médias e grandes empresas divulgam suas marcas, produtos e serviços.

Publicidade

Se realmente as redes foram bloqueadas, isso causaria não só uma crise para a empresa de Zuckerberg e para os usuários comuns, mas também para todas as empresas que contam com essas opções para os seus negócios.

Se vai ou não acontecer, somente nos próximos dias saberemos, mas vale ficar de olho em nossas notícias, para conferir o desdobramento desse caso.