O jornalista João Miranda do Carmo foi morto em sua própria casa, na cidade de Santo Antônio do Descoberto, localizada em Goiás, na noite do último domingo (24). 

De acordo com boletim de ocorrência, dois homens desceram de um carro estacionado em frente à residência da vítima e dispararam vários tiros, matando na hora o jornalista de 54 anos. 

Um dos primeiros a encontrar o corpo foi o policial Alisson de Moraes, que informou que a vítima contava com cerca de sete furos no peito. Já se sabe que os criminosos fugiram em um Palio vermelho. 

Dono de um site de notícias policiais e outras informações envolvendo acontecimentos na cidade de Santo Antônio do Descoberto, João Miranda pode ter sido vítima de algum tipo de vingança, conforme relatos de um enteado.

Publicidade
Publicidade

Como o jornalista era conhecido por fazer diversas denúncias e já havia registrado um boletim de ocorrência por sofrer ameaça de morte, a polícia não descarta a hipótese de queima de arquivo. 

O delegado responsável pelo caso ainda não definiu uma linha clara de investigação. O processo está em sua fase inicial, com a tomada dos primeiros depoimentos. O oficial também acredita que exista alguma ligação entre o trabalho do jornalista e o crime. "Vamos averiguar se ele estava sendo ameaçado ou teve alguma desavença que tenha provocado sua morte", declarou o policial. 

Jornalista morre na Paraíba após complicações envolvendo chikungunya

O jornalista paraibano Rosemberg Silva morreu na madrugada desta segunda-feira (25), em João Pessoa, após ser internado com problemas renais agravados por contrair chikungunya. 

Chamado de Berg pelos colegas, o profissional será enterrado nesta terça-feira (26) em um cemitério local em cerimônia prevista para ocorrer às 16h (horário de Brasília).

Publicidade

O sindicado da categoria emitiu uma nota de pesar pela morte do colega, conhecido por sua atuação no jornalismo impresso. 

Rosemberg estava internado no Hospital Estadual de Emergências e Traumas Sen. Humberto Lucena. A família do jornalista ainda não se pronunciou a respeito do falecimento.  #Violência #Casos de polícia