O marqueteiro do Partido dos Trabalhadores (PT), João Santana, cansou de mentir. Foi isso o que ele disse ao juiz federal Sérgio Moro, que o investiga na Lava Jato. O publicitário indicou que mentiria até agora para tentar salvar à presidência, mas que agora contará tudo. Ele já começou fazendo revelações fatais em sua delação premiada após acordo na Justiça, especialmente no que se refere à presidente afastada #Dilma Rousseff. De acordo com João, o partido recebeu sim milhões de reais em propina durante as campanhas eleitorais. A fila de receptores da corrupção, que tinha quase sempre origem de empresas públicas, daria para ser "vista por satélite". 

Ele já havia dado um depoimento em fevereiro deste ano sobre a Lava Jato, mas confessou que o que disse anteriormente não fazia parte das verdades dos fatos.

Publicidade
Publicidade

Após as revelações, a presidente Dilma disse que se houve qualquer caixa 2 ou irregularidade em sua campanha, que ela não sabia de nada. Ela já vem tomando a mesma postura em diversas outras situações, tentando colocar os erros que cometeu nos outros, inclusive quando se trata do processo de impeachment, cujo destino pode levar até à sua deposição no Senado Federal no final de agosto, quando os brasileiros podem comemorar duplamente, afinal, também estará se encerrando os jogos olímpicos do Rio de Janeiro. 

O marqueteiro e sua mulher, a empresária Mônica Moura, eram considerados gurus das campanhas de Dilma, e também trabalhavam para políticos da América Latina, que não se preocupavam em gastar bastante para conseguirem ser eleitos. O casal revelou que recebeu 4,5 milhões de dólares irregularmente para pagar uma dívida de Dilma no ano de 2010.

Publicidade

João confessou que mentiu por conta do medo de perder clientes, além disso, a pressão psicológica dos fatos o levou a agir assim. O marqueteiro ainda quis poupar a presidente Dilma, que já andava com a vida complicada por causa do impeachment, mas depois de se sentir abandonado, ele cansou e falou o que tinha de ser falado. 

“Eu raciocinava comigo, eu que ajudei de certa maneira a eleição dela não seria a pessoa que iria destruir a presidência, trazer um problema", teria dito ele, conforme uma reportagem publicada nesta quinta-feira, 22, no Estadão.  #PT