O Juiz Marcello Granado está sendo notícia na mídia brasileira porque teria recebido uma grande quantia em dinheiro na sua conta bancária por engano, mas não estaria disposto a devolver esse valor aos cofres públicos. Ao todo entraram R$ 71.905,96 na conta do magistrado e ele contou que realmente notou uma "diferença a mais" na conta, mas pensou que seria o pagamento da Parcela Autônoma de Equivalência, que estaria vencida e não havia sido paga até aquele momento. Marcello é juiz federal e integra o Tribunal Regional Federal da 2ª Região.

Quando notou o erro administrativo, o judiciário brasileiro logo notificou o magistrado e o explicou que havia acontecido um equívoco técnico que proporcionou a entrada de uma grande quantia em dinheiro em sua conta, no entanto, Marcello Granado recorreu dando algumas justificativas, intencionando a não devolução do montante à administração pública.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o portal Pragmatismo Político, o magistrado havia dito que não houve a possibilidade dele mesmo se defender nesse processo administrativo e que também teria acontecido uma suposta violação à ampla defesa em razão do indeferimento da produção de provas.

O fato é que a justificativa dada pelo magistrado foi acatada pela Juíza Federal Helena Elias Ponto, que entendeu nesse processo que poderia haver um certo "risco de lesão grave", algo de difícil reparação a Marcello Granado, segundo ela. A magistrada ainda conta que caso houvesse um desconto desse tamanho na conta do juiz Marcello, isso poderia "desestruturar" a sua situação financeira e ele "pagaria" por uma situação que não forçou ou pediu para acontecer.

Por esse motivo, através de uma liminar, a juíza suspendeu o desconto de R$ 71.905,96 que seria feito no vencimento mensal do magistrado, resultando então no consequente cancelamento do processo administrativo.

Publicidade

Ela ainda determinou que essa informação fosse repassada em caráter de urgência para a administração pública para que o desconto na conta de Marcello não fosse efetuado, respeitando assim a sua decisão. #Justiça