A Justiça já determinou que a partir das 14 horas desta terça-feira (19) o WhatsApp deverá ser bloqueado novamente em todo território brasileiro e a polêmica é mais uma vez o principal assunto nas redes sociais. Daniela Assumpção Barbosa, juíza da Vara de Execuções Penais, explica que o Facebook, empresa proprietária do aplicativo, já foi notificado por três vezes sendo informado que era para interceptar as mensagens relativas a uma #Investigação Criminal que vem sendo feita em Duque de Caxias, mas não cumpriu a determinação.

Sendo assim, o WhatsApp será penalizado e as operadoras de telefonia já foram todas notificadas sobre a decisão e terão que cumprir a ordem, o serviço estará suspenso e as reclamações são muitas.

Publicidade
Publicidade

A Juíza não mostra arrependimento pela decisão polêmica e acredita que está fazendo a coisa certa. Para ela, o brasileiro está sempre reclamando da violência que assola o país, dos policiais corruptos, da Justiça que é lenta, mas agora é a hora de todos saberem que estas "prisõezinhas do dia a dia" não irão resolver absolutamente nada, porque o crime está muito evoluído e a Justiça não pode ficar para trás, precisa evoluir também.

A decisão foi tomada ontem, dia 18, e as operadoras não possuem um prazo para cumprir um bloqueio, dependendo da infra-estrutura de cada empresa para que a ordem seja atendida, entretanto a expectativa é para que a partir das 14 horas de hoje o aplicativo já comece a ficar bloqueado para os usuários.

Daniela explicou ainda que não acredita nesta história de que as investigações iriam tirar a credibilidade do #WhatsApp e citou o exemplo de que muitas ligações telefônicas são interceptadas pela Justiça e os usuários nunca perderam a confiança nas empresas de telefonia móvel ou fixa.

Publicidade

Para a juíza, o WhatsApp é hoje um "refúgio para bandidos" e que ela mesma já recebeu ameaças de morte que foram enviadas através do WhatsApp.

Sem se sentir intimidada com os protestos nas redes sociais, Daniela concluiu: "O WhatsApp desrespeita o brasileiro. É preciso respeitar nossas leis". #Casos de polícia