Na madrugada desta segunda-feira, 11, a jurada Flor, conhecida por fazer os programas do apresentador de TV Silvio Santos, no SBT, sofreu um grave atentado violento em uma chácara, no interior de São Paulo. As primeiras informações foram dadas ao vivo pela jornalista Sônia Abrão, da RedeTV! durante o programa 'A Tarde é Sua'. A casa onde Flor mora foi invadida por um homem. Não se sabe ainda se ele conheceria a comunicadora. Ele já teria sido identificado pela Polícia. No entanto, até o fechamento desta reportagem, o nome do suspeito ainda não havia sido revelado. Novas informações podem ser passadas a qualquer momento. 

O 'A Tarde é Sua' mostrou fotos de Flor machucada.

Publicidade
Publicidade

Estas imagens ainda não foram liberadas à imprensa. O programa ainda deu detalhes de como tudo aconteceu na madruga. A apresentadora do SBT tentou manter a porta do quarto em que ela estava para que o bandido não entrasse. Enquanto tentava resistir ao possível assalto, o bandido foi para a janela. Ele conseguiu quebrar a janela e invadiu a residência da jurada, que trabalha desde a década de 1980 com o 'Homem do Baú'. Em fotos, Flor mostra o braco inchado e também um dedo roxo. 

De acordo com um dos repórteres que acompanha o caso, tudo foi um grande susto para Flor. Durante a briga com o assaltante, ela ainda teria levado uma pancada com o laptop dela no rosto. O homem teria conseguido fugir e é procurado pela Polícia. Não é a primeira vez que personalidades do SBT sofrem atentados criminosos. 

No início dos anos 2000 a ainda desconhecida Patrícia Abravanel sofreu um sequestro que parou o Brasil.

Publicidade

Religiosa, ela conseguiu convencer seu algoz de que o melhor era soltá-la. A perseguição contra o criminoso mais parecia um filme americano. Isso porque o mesmo sequestrador, dias depois de libertar Patrícia, sequestrou o próprio Silvio Santos. Durante a negociação de liberação do apresentador, até mesmo o então governador de São Paulo foi chamado. De acordo com profissionais de segurança, essa foi a primeira vez no Brasil que um refém negociou a própria libertação. #Crime #Investigação Criminal