O Ministério Público Federal (MPF) quer explicações urgentes sobre o "cofre secreto" do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com o 'Diário do Poder', em reportagem publicada nesta quarta-feira, 13, a entidade pediu explicações sobre os objetos valiosos que se encontram guardados em um banco estatal, mais precisamente uma agência do Banco do Brasil em São Paulo. Entre os materiais, existe até uma coroa de ouro ganha pelo companheiro político da presidente afastada Dilma Rousseff, quando #Lula ainda estava no poder. 

O que mais tem causado estranheza no órgão federal é o fato de que objetos tão caros estarem presentes no cofre e o ex-líder sindical não ter pago um centavo sequer pela manutenção do material.

Publicidade
Publicidade

O Banco do Brasil evita entrar em qualquer polêmica e apenas confirma que guarda o material a "sete chaves". Uma adaga cravejada de joias também está entre os materiais presentes na caixa de segurança. O 'Diário do Poder' traz um relatório de itens que estaria no local. A lista foi realizada pela Polícia Federal. De acordo com os agentes que avaliaram os itens, existiam 23 caixas que foram lacradas ainda no ano de 2011.

O cofre também teria pertences de familiares de Lula, como de sua esposa, a ex-primeira dama Marisa Letícia. Marisa também virou notícia neste ano por mandar os brasileiros enfiarem as panelas naquele lugar. A fala foi de uma interceptação telefônica autorizada pela #Justiça Federal e foi feita após panelaços contra Dilma em todo o país. O marido de Marisa, Lula, também falou no programa em que Rousseff apareceu.

Publicidade

As 23 caixas estavam lacradas desde o ano de 2011. Muitos dos itens são considerados raros, da arte barroco. O valor, caso vendidos, chega a ser imensurável. Muitas obras de arte estão entre os artigos.  O ex-presidente se defende, alega que sempre foi um homem muito popular e que presente não se recusa, seria uma falta de educação. Ele diz também que tudo que está ali já foi informado à justiça. Durante a gestão do petista, esse tipo de presente foi regulamentado por um decreto.