Nesta quinta-feira, 07, a Justiça Federal de São Paulo decidiu dar uma condenação dura ao pastor e missionário R.R. Soares. Ele e a mulher, Maria Magdalena Ribeiro Soares, foram obrigados a devolver os passaportes à Polícia Federal. Os dois são da Igreja Internacional da Graça de Deus, conhecida por bancar grandes canais de televisão alugando horários, como a TV Bandeirantes e a RedeTV!. Os passaportes diplomáticos foram concedidos pelo atual Ministro das Relações Exteriores, José Serra. Ele foi muito criticado por conta da ação. O tucano deu o privilégio, geralmente concedido apenas a membros do governo, no dia 29 do mês passado. A Justiça decidiu tirar os passaportes do casal depois de uma ação do advogado Ricardo Abraão Amin Nacle.

Publicidade
Publicidade

O caso foi julgado liminarmente nna 7ª Vara Federal Cível de São Paulo.

O casal de religiosos agora tem cinco dias para devolver os passaportes. A decisão diz que o Ministro realizou um grande erro ao confundir religião com estado. O juiz que assinou o caso lembra que a Constituição brasileira diz que o estado é laico, ou seja, existe separação dos poderes vigentes e da igreja. Por isso, a manobra do tucano para o juiz foi chamada de irregular e não atendendo aos interesses do estado brasileiro.

O juiz em questão é Tiago Bologna. Para ele, apenas com o Ministério das Relações Exteriores explicando melhor o que motivou o benefício do passaporte diplomático poderia fazer reverter a decisão. Ou seja, ainda existe a chance de R.R. Soares e sua esposa conseguirem novamente o passaporte de volta.

Publicidade

Mas para isso, de acordo com o juiz, a decisão vai ter que respeitar o que é estabelecido na constituição. Com isso, pelo menos momentaneamente, o religioso e sua esposa não poderão fazer viagens para vários países.

Com o passaporte, eles podiam viajar sem visto para uma série de nações que tem parceria com o Brasil sem pagar taxas e enfrentar tempos de espera. O pastor alega que seu trabalho é para ajudar pessoas que passam necessidades no exterior. E agora? #Crime #Investigação Criminal