A ex-Ministra da Agricultura, Kátia Abreu, pode ser impedida de votar contra a presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). Pelo menos é o que quer o Senador José Medeiros. O Congressista é ligado ao PSD do Mato Grosso. Ele quer que isso ocorra depois que a petista decidiu ao mesmo tempo participar da votação sobre Dilma e também como uma de suas advogadas e testemunhas de defesa da presidente. A ação é vista como muito intrigante por José Medeiros. A ação do Congressista quer que Kátia seja desabilitada a participar do pleito previsto para ocorrer no final de agosto. 

Eleita pelo PMDB do Tocantins, Kátia é uma das maiores defensoras da presidente.

Publicidade
Publicidade

Durante a votação sobre o afastamento da presidente, ela chegou a se afastar do cargo de Ministra para ajudar Rousseff com um voto, mas não adiantou. No dia 12 de maio, 54 Senadores escolheram pelo afastamento da petista. Em reportagem publicada nesta quinta-feira, 07, pelo site 'Diário do Poder', os números contra a representante do Partido dos Trabalhadores só aumentaram. Já há quem garanta que ela terá 60 dos 81 votos, o que tornaria um feito histórico e uma derrota por goleada.

Em entrevista ao site 'Diário do Poder', José Medeiros explicou o que motivava o seu pedido para impedir a colega Congressista: "Uma pessoa não pode ser arrolada como testemunha de defesa e depois virar julgadora". O requerimento foi protocolado nesta quarta-feira, 06. A ação deve ser analisada agora pelo colegiado de Senadores e pode ser julgada até pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Publicidade

De qualquer forma, o voto de Kátia Abreu não é considerado decisivo. Como informamos anteriormente, o número de votos contrários à Dilma é enorme. Diferentemente do que o PT chegou a imaginar, o governo do presidente em exercício, Michel Temer, do PMDB, tem sido melhor recebido pelos políticos do que o de Rousseff. A imprensa agora também terá que se ocupar das Olimpíadas e o assunto política deve dar uma sumida do noticiário, o que melhora as coisas para Temer.  #Dilma Rousseff #Crime #Impeachment