Em entrevista ao jornal “O Globo”, Luiza Brunet contou que Lírio Parisotto, o seu ex-namorado, a agrediu no dia 21 de maio de 2016. Segundo ela, foi realizado um laudo no IML e dado entrada na representação da queixa no Ministério Público de São Paulo.

A agressão teria acontecido em Nova York, após um jantar em que Lírio Parisotto ficou irritado. Perguntaram para eles se iriam estar presentes em uma exposição de fotos e o ex-namorado de Luiza disse que não, pois em outro evento havia sido confundido com o ex-marido da modelo.

Luiza contou que estava em  Nova York para ir, com o então namorado, a um evento, o “Homem do Ano”.

Publicidade
Publicidade

Depois que saíram do restaurante, eles pegaram o Uber para irem para o apartamento. Ao chegar no local ele saiu do carro e subiu, sem a esperar.

A modelo subiu em seguida e, ao chegar ao apartamento, Lírio começou a agredi-la enquanto ela estava sentada. Ela foi espancada e chegou a quebrar quatro costelas. O primeiro golpe, segundo o relato, foi um soco no olho. Depois, ele a chutou diversas vezes e a imobilizou, quebrando suas costelas.

Ela começou a gritar pedindo socorro e conseguiu fugir dele, se trancando no quarto. Só saiu de lá no dia seguinte e voltou para o Brasil. Luíza conta que sempre tentou ser discreta em sua vida pessoal e lamenta ter que se expor dessa maneira aos 54 anos de idade. Porém, disse que criou coragem por causa da situação em que as mulheres vivem no Brasil e do desrespeito existente.

Publicidade

Lírio é um dos homens mais ricos do Brasil, segundo a Forbes. Ele tem 62 anos e, entre idas e vindas, namorava há aproximadamente quatro anos com Luiza Brunet.

Há mais ou menos um mês, a modelo fez uma postagem em uma rede social, incentivando as mulheres a registrarem queixa quando forem agredidas e não terem medo.

Nas redes sociais, famosos apoiam Luiza Brunet. Astrid Fontenelle, Cris Vianna, Suzana Pires, entre outros, postaram mensagem de carinho e de apoio.

Internautas também se comoveram com o caso e lamentam a violência. "É triste saber que a cada 2 minutos no Brasil, tem uma mulher passando pelo o que a Luiza Brunet passou", escreveu um deles.  #Crime #Casos de polícia