Nesta sexta-feira, primeiro de julho, a atriz Luiza Brunet, de 54 anos, acusou o ex-companheiro, o bilionário Lírio Albino Parisotto, de 62 anos, de tê-la agredido violentamente, quando os dois estavam em viagem ao estado de Nova York, nos Estados Unidos. A ex-modelo disse que o empresário cometeu crimes violentos físicos e psicológicos. Luiza Brunet relata que levou socos, pontapés e que teve quatro costelas quebradas pelo próprio namorado, que chegou a aparecer na lista de um dos 600 homens mais ricos do Planeta pela revista Forbes. 

O empresário, no entanto, soltou uma nota negando tudo. Ele pediu paciência aos amigos e contou que Brunet teria dado tapas, mordidas e unhadas nele.

Publicidade
Publicidade

Para não apanhar, ele teria imobilizado a própria esposa. Diante dos relatos, a Justiça de São Paulo decidiu solicitar que Lírio não chegasse mais perto da atriz, que está no ar na novela das nove 'Velho Chico', exibida pela Globo. Em nota enviada ao 'Jornal Nacional', a modelo nega que tenha batido no homem que viveu. "Afirmo que não agredi ninguém e fui vítima de uma agressão covarde. A verdade prevalecerá", esclarece ela no texto enviado à imprensa. 

Muita gente ficou revoltada com o caso, mas começou a se perguntar porque só agora Luiza estaria revelando as agressões. Ela teria apanhado do ex-marido no mês de maio, no apartamento dele de Nova York. À essas alegações, Brunet explicou que está publicizando o caso por ser uma pessoa conhecida e que isso daria coragem à outras mulheres fazerem o mesmo.

Publicidade

O gesto da atriz foi muito aplaudido, especialmente por se tratar contra um homem muito poderoso. 

Em uma rede social, o empresário disse que jamais agrediu um homem, muito menos uma mulher. Luiza, no entanto, diz ter provas de que tudo ocorreu. Ela viajou no dia seguinte das agressões de volta ao Brasil, onde fez uma denúncia formal ao Ministério Público de São Paulo. A modelo também realizou exames de corpo e delito no Instituto Médico Legal (IML), que teria atestado que ela realmente foi agredida.  #Crime #Investigação Criminal