O ex-presidente da república, Luiz Inácio Lula da Silva, deu mais declarações polêmicas nesta terça-feira. Ele conversou com o radialista Geraldo Freire e garantiu que vai voltar, mas desde que o Brasil não dê certo. Novamente, o representante do Partido dos Trabalhadores (PT) fala que não tem qualquer vontade de voltar à vida como candidato, mas que não terá escolha, caso não haja uma opção melhor. "Política é que nem uma boa cachaça, você começa e não quer parar mais", disse o ex-líder sindical fazendo uma polêmica analogia. Ele é conhecido por gostar justamente de bebidas alcoólicas. É muito comum ver imagens do companheiro político da presidente afastada #Dilma Rousseff.

Publicidade
Publicidade

Para o político, o país precisa de uma reforma política ampla para sair da crise. Dados de pesquisas divulgados nesta terça-feira, mostram que a economia brasileira continua caindo. O comércio teve em maio, por exemplo, 9% a menos de vendas do que o mesmo mês do ano passado. O petista ainda criticou os atuais deputados, dizendo que eles não queriam mudar. É bom lembrar que #Lula ficou oito anos no poder e Dilma mais seis anos, mas a reforma política na gestão deles parecia não ser a principal prioridade do governo. 

De acordo com o ex-presidente, a culpa de muito o que acontece no Brasil é dos eleitores. Para ele, as pessoas xingam políticos, mas depois acabam votando neles novamente. Ele pediu que as pessoas tenham mais responsabilidade em escolherem seus candidatos, evitando assim que novas crises como a atual voltem a ocorrer.

Publicidade

Para ele, muitos dos seus colegas da política sequer conhecem o país. Lula garante que os deputados só viajam pelo Brasil de avião. É bom lembrar que as viagens do petista pelo Nordeste estão sendo feitas de jatinhos bancados por amigos dele. 

Ele está na região brasileira para tentar defender Dilma do processo do impeachment. No final de agosto, por exemplo, está prevista a votação que julgará se a petista merece ou não ser deposta. Para que Rousseff perca a função são necessários 54 votos. No dia 12 de maio, quando foi afastada, ela teve 55, mesmo assim, Dilma acredita em uma reviravolta.  #PT