Abandonado até mesmo por petistas, com feições mais tristes e em meio à fortes suspeitas. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nem de longe de parece com o homem que deixou o governo federal e que chegou a ter aprovação acima dos 80% dos eleitores brasileiros, um recorde. O desprestígio do Partido dos Trabalhadores (#PT) por conta dos inúmeros escândalos de corrupção e do mau governo da presidente afastada Dilma Rousseff fez com que #Lula perdesse petistas em seu apoio até mesmo em seu celeiro eleitoral, o Nordeste brasileiro. 

De acordo com uma reportagem publicada nesta sexta-feira, 15, pela revista Veja, nessa semana Lula desembarcou com um avião particular em Caruaru, Pernambuco.

Publicidade
Publicidade

O desembarque foi marcado pela apreensão de representantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, o MST. Isso porque não havia uma quantidade grande de manifestantes para abraçarem Lula. Apenas oito pessoas esperavam pelo ex-líder sindical, o que obrigou que fosse feito um plano B. 

Lula então teve que ir por outra saída para evitar o flagra do aeroporto vazio. Sua equipe tentou um plano B, mas nem esse foi de tanto sucesso. O homem que já foi chamado de "O Cara" pelo americano Barack Obama agora é "a cara" da solidão partidária. Ele vive um fenômeno estranho, nunca sentido antes, o desprestígio. O companheiro de Dilma Rousseff chegou ao aeroporto acompanhado de Humberto Costa, Senador do PT eleito por Pernambuco. Os dois saíram pela porta dos fundos e driblaram os oito ainda fãs resistentes de Lula, que não devem ter gostado de irem ao local atoa. 

“Pensei que ele fosse ao menos pegar na minha mão e me cumprimentar”, disse uma pessoa entrevistada pela Veja, que demonstrou enorme irritação pelo fato do ex-presidente escolher não falar com ninguém.

Publicidade

As notícias de que Lula estaria deprimido já chegaram até a ser comentado por ele em entrevistas. A jornalistas internacionais ele confessa que não gostaria de estar em Brasília no dia da votação do impeachment e que ficou triste no dia 12 de maio, quando Dilma foi afastada.