O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva parece não ter um mira tão boa quanto a do passado. De acordo com informações do jornalista Josias de Souza, em reportagem publicada nesta quarta-feira, 13, no UOL, o companheiro político da presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), tentou jogar para dentro da disputa pela presidência da Câmara dos deputados, em Brasília, a candidatura do deputado Marcelo Castro, eleito pelo PMDB do Piauí. Ao tentar realizar a manobra, o ex-líder sindical parece ter errado na pontaria, tentando prejudicar o presidente em exercício #Michel Temer, do PMDB, mas acabando a acertar o prefeito da maior cidade do país.

Publicidade
Publicidade

Um dos maiores prejudicados pela ação de #Lula foi o prefeito Fernando Haddad, que governa São Paulo e vive um ano eleitoral. 

O candidato petista tenta à reeleição, mesmo sabendo que as coisas para ele serão difíceis. Pesquisas indicam que a cidade de São Paulo é uma das que o impeachment de Dilma é bastante apoiado. Fernando Haddad tenta correr por fora, molhar a camisa e tentar formar uma coligação partidária forte, tudo para conseguir ser prefeito novamente. No entanto, a decisão de Lula deve realmente molhar a camisa de Haddad, mas com um balde de água fria. Isso porque ele contava bastante com a adesão do Partido da República, o PR.

Tudo começou a dar errado quando um dos donos da legenda, o mensaleiro Valdemar Costa Neto, começou a fazer ameaças contra o prefeito.

Publicidade

De acordo com o jornalista do UOL, Valdemar deixou Haddad falando sozinho e ameaça continuar assim se não houvesse apoio do partido ao parananense Fernando Giacobo à presidência da Câmara. Os petistas, só para variar, articularam-se mal novamente e podem não só perder a cadeira de presidente, como também o apoio importante para as eleições municipais no ano do impeachment. 

A votação contra Dilma, que tudo indica deve terminar com a deposição dela, acontecerá muito perto da eleição, no final de agosto. A diferença de menos de dois meses deve fazer o eleitor ficar com a memória bastante viva do que é o #PT.