Na manhã deste sábado, 30, o mar de Copacabana estava revoltado como poucas vezes se viu. Por volta das 10h20 no horário de Brasília, as ondas eram tão altas que nem mesmo a enorme faixa de areia da Zona Sul foi capaz de conter a forte ressaca olímpica. Há seis dias para o início dos jogos, o mar avançou de tal maneira que as ondas chegaram na pista, onde trafegam carros. Um dos vídeos feitos logo após o incidente mostram pessoas caídas no meio da rua. Algumas estão até com suas bicicletas. Elas caíram após o mar derrubá-las. 

De acordo com informações do site do 'Globo Esporte', houve muita correria na região, especialmente de lojistas que tem barracas ou quiosques na praia.

Publicidade
Publicidade

Alguns correm para pegar cadeiras que foram levadas com a água. Uma das pistas da Avenida Atlância chegou a ser completamente fechada. Além disso, até a cobertura dos jogos olímpicos foi ameaçada. Isso porque as ondas chegaram ao local onde está sendo construído um estúdio para várias televisões estrangeiras. O cenário foi montado em frente à rua Bolívar e recebe os seus últimos retoques. 

A organização dos jogos dessa vez havia se prevenido e colocou várias grades em volta da obra. Por isso, a estrutura acabou não sendo abalada. A Prefeitura do Rio de Janeiro enviou um trator para reforçar a barreira de areia, evitando que a estrutura pudesse ser derrubada. Na internet, os internautas brincaram com a situação, dizendo que nem Deus estaria feliz com os jogos e com o enorme dinheiro gasto para montar sua organização.

Publicidade

A cerimônia de abertura da Olimpíada será realizada na próxima sexta-feira, 05, no Maracanã. O evento será transmitido para mais de 3,5 bilhões de pessoas em todo o planeta. 

Por sorte, a arena de Vôlei de Praia não chegou a ser afetada com a ressaca. A estrutura está mais próxima à praia do Leme. Lembrando que neste ano uma ressaca acabou derrubando a ciclovia Tim Maia, matando pessoas que passavam pelo local no momento do incidente.

Veja abaixo o vídeo que mostra a onda que causou estragos no Rio de Janeiro:

#Governo #Rio2016