Não se fala de outra coisa nos grupos de política na internet. Nesta terça-feira, 05, um vídeo da filosofa Marilena Chaui começou a repercutir nas redes sociais. Ele exibe a teórica argumentando que o juiz federal Sérgio Moro recebeu forte treinamento da Polícia Federal americana, o FBI. Isso fez com que a defensora da presidente afastada Dilma Rousseff virasse motivo de chacota na grande rede. Segundo ela, o grande propósito da #Lava Jato, operação que investiga o dinheiro desviado da maior estatal brasileira, a Petrobrás, seria arruinar o Brasil, além de roubar todo o pré-sal do país. A argumentação já tinha sido usada por outro petista, Leonardo Boff. 

A opinião estranha da teórica fez com que o nome dela ficasse entre os assuntos mais comentados do país.

Publicidade
Publicidade

Além da fala sair na grande mídia, também virou motivo de piada em blogs e nas redes sociais. Gente dizendo que os petistas estão passando do ponto e que não se dá nem para levar a sério esse tipo de fala. Países de esquerda e legendas ligadas ao comunismo/socialismo tem o costume de colocar boa parte dos problemas no imperialismo americano. Recentemente o presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, fez um discurso parecido.

Ele que pode sofrer um processo de impeachment, assim como ocorre com Dilma no Brasil, argumenta que tirá-lo do poder é uma ação de empresários apoiados pelo governo americano. Atualmente, a crise na Venezuela é tão grande que falta comida, energia e até remédios. Protestos contra o presidente são violentamente reprimidos pelas forças de segurança locais. 

Um leitor de Marilena usou as redes sociais para criticá-la.

Publicidade

"Alguns anos atrás preocupado com o pensamento hegemônico da maioria das pessoas que considerava como sendo intelectuais eu tinha necessidade de reler as tolices de nossa musa das letras apagadas para me convencer de que não estava ficando maluco", escreveu ele. 

"Se é essa uma das "grandes" cabeças que ditam o discurso petista/socialista, não é atoa que estão desmoronando como desmoronou o Muro de Berlin e as estátuas de Lenin, e as esquerdas latinas", escreveu outro.