Uma mãe do Rio de Janeiro ficou indignada com o que ocorreu com a filha dela na escola. O caso aconteceu no mês passado, mas voltou a repercutir nas redes sociais. Tudo porque a garota levou um zero em um das questões da prova que fazia, mas o motivo do zero não foi a menina não saber o assunto, mas sua argumentação. A mãe da estudante, muito revoltada, usou o Facebook para contar o que a aluna havia passado. Ela ainda pediu ajuda para que todos falassem sobre o assunto e conseguisse fazer a filha ter o ponto de volta. 

A questão da prova vinha com uma opinião sobre o capitalismo e pedia para que os estudantes fundamentassem a lógica "imoral" da exclusão.

Publicidade
Publicidade

No enunciado, a questão dizia que o processo de globalização atual do planeta faz com que as leis do mercado se sobreponham ao social, fazendo sobreviver apenas aquele que tem grande competência. A aluna então dizia que não concordava com a afirmação do enunciado e decidiu fundamentar muito bem sua afirmação, dizendo que o sistema capitalista não fundamentaria a lógica da exclusão. De acordo com a garota, esse sistema de governo proporciona outra coisa. 

A menina lembra que através do capitalismo empresas são ampliadas e empregos são criados. Em seguida, ela diz que todos tem oportunidades e lembra que isso não ocorreria no socialismo ou no comunismo. A estudante ainda alfineta o sistema de governo de esquerda, falando que este não deu certo em nenhum país. ".A exclusão não está relacionada ao capitalismo, porque ele não gera pobreza", diz ela.

Publicidade

Para a aluna que levou zero por conta da sua argumentação, fica pobre quem quer. Ela ainda lembra que o sistema capitalista é meritocrático e quem batalha recebe em troca o seu esforço. 

A mãe achou que a filha argumentou muito bem na questão e decidiu questionar a  escola. A instituição, vendo a raiva e a fundamentação da mãe, de acordo com o jornal Extra, decidiu voltar atrás, dando a pontuação máxima por conta da questão. Na internet, ela questiona se existe mesmo uma "Escola sem partido?".  #Educação #Crime