Após supostamente terem confessado o crime sobre a morte do menino Felipe Gomes Lisboa, de oito anos, os adolescentes de 15 e 16 anos passaram apuros na delegacia onde estão detidos, na cidade de Teixeira de Freitas, na Bahia. O menino foi morto durante um assalto após receber forte violência, que teria sido cometida pelos menores de idade. O pai dele está internado em um hospital da região após também sofrer agressões. Na delegacia, os menores foram agredidos por outros presos, que também ainda não atingiram a maioridade. Enquanto isso, amigos, familiares e moradores da região fizeram um protesto contra a morte do menino Felipe. 

Em contato com o portal de notícias G1 em reportagem publicada nesta quarta-feira, 27, a Polícia da região disse que a dupla foi agredida por quatro rapazes em uma cela para menores.

Publicidade
Publicidade

Os adolescentes foram chutados e saíram machucados. No entanto, os ferimentos não foram graves. Os presos tentaram machucar os "colegas" recém chegados com uma um cabo de escova de dente. Os rapazes precisaram do socorro dos carcereiros para não serem mais machucados. 

Em entrevista ao G1, o coordenador da 'Coorpin', disse que os demais presos não concordavam em estar na mesma cela que assassinos de crianças. As agressões obrigaram a Polícia a mudar os menores de cela. No entanto, eles permanecem na mesma unidade. A Justiça agora deve determinar qual será a medida socioeducativa a ser dada como pena aos menores de idade pela infração grave. 

Pedido de punição na web

O caso gerou grande revolta na internet e trouxe de volta a discussão sobre a maioridade penal no Brasil. Para muitas pessoas, crimes graves como esse não deveriam ter uma idade definida para ser preso e punido.

Publicidade

No entanto, especialistas divergem bastante sobre o assunto.  Até mesmo em países considerados mais desenvolvidos, como os Estados Unidos, a lei muda em cada estado, mostrando que os regionalismos também podem influenciar nessa decisão. Por lá, a pena de morte também é dada por alguns estados e por outros não.  #Crime #Investigação Criminal