Nesta quarta-feira, 27, o Ministro da Cultura Marcelo Calero (sem partido) usou as redes sociais para mostrar sua ira contra a gestão do #Governo anterior, que estava nas mãos do Partido dos Trabalhadores (PT). Calero assumiu a pasta com a troca de presidentes no poder, fazendo parte do governo de Michel Temer (PMDB). Ele usou o Twitter um dia depois do Ministério da Cultura exonerar 81 pessoas.  "Na tentativa desesperada de construir uma narrativa política, o pessoal raivoso insiste na tese estapafúrdia do "desmonte" do MinC", começou ele a criticar o noticiário sobre o que acontecia em sua gestão. Em seguida, ele diz que as demissões ocorreram porque a gestão anterior, formada por petistas, tinha funcionários "irresponsáveis" e "incompetentes".

Publicidade
Publicidade

De acordo com o Ministério da Cultura, as demissões fazem parte de uma demanda da sociedade e que tem como objetivo valorizar os servidores de carreira. O órgão informou que os concursados assumiriam cargos de destaque e não mais nomes comissionados, como ocorria na gestão da presidente Dilma Rousseff. No entanto, pelo menos um nome não será servidor de carreira, o de Oswaldo Massaini Filho, que é o novo coordenador-geral da Cinemateca brasileira.

De acordo com Marcelo Calero, a gestão anterior preencheu mais da metade dos cargos com políticos apadrinhados e diminuiu completamente a verba da pasta, chegando a míseros R$ 400 milhões. Segundo o Ministro, hoje esse é o menor orçamento de todas as pastas do governo. Além disso, o governo de Dilma, segundo Calero, teria deixado uma dívida acima dos R$ 1 bilhão, não pagando fornecedores e deixando editais em aberto. 

A irritação de Calero veio depois que o ex-Ministro da Cultura, Juca Ferreira, falou que as demissões comprometiam o funcionamento da pasta.

Publicidade

De acordo com ele, o governo de Temer fazia uma "tentativa malandra" para conseguir que os servidores o apoiassem. Em seguida, ele disse que a crítica de Calero sobre o "aparelhamento" no MinC era uma "canalhice". Ele ainda acusou seu sucessor de não ter qualquer preparo para a função.  #PT