Nesta sexta-feira, 29, uma ação política curiosa do Ministro da #Justiça, Alexandre de Moraes, teve repercussão no Brasil e  no mundo. De acordo com informações da coluna 'Radar', da revista Veja, ele usou um facão para acabar com pés de maconha no Paraguai. Ele esteve no país para tentar criar políticas que evitem que drogas sejam vendidas ao Brasil. A ação do Ministro veio depois que seus adversários reclamaram de algumas posturas dele. No entanto, Alexandre de Moraes teria um grande sonho, ser governador do estado de São Paulo em 2018. Por isso, para ele é bastante importante aparecer no noticiário. 

Essa necessidade de aparição gerou, é claro, acusações importantes, como de que as prisões dos supostos terroristas na semana passada teria o intuito apenas de se criar um circo midiático.

Publicidade
Publicidade

Nesta semana, mais duas pessoas foram presas. Elas não teriam relação com o primeiro grupo, que teve doze brasileiros levados para um presídio de segurança máxima no Mato Grosso. É bom lembrar que a gestão de Alexandre de Moraes está apenas começando. Ele ainda não completou três meses no posto, mas tenta mostrar serviço, para quem sabe o eleitorado lembre de seus feitos.

Oficialmente, Alexandre de Moraes não comenta esse suposto sonho, até porque até mesmo o período eleitoral para o pleito municipal mal começou, ou seja, até lá, muita água vai rolar e é difícil dizer se ele vai ou não ser realmente candidato a um cargo tão alto. No entanto, caso consiga realmente a candidatura, o hoje Ministro da Justiça terá um bom filme para exibir durante a propaganda eleitoral gratuita. Na semana passada, ele esteve no Paraguai. 

Em uma operação em parceria com o país vizinho, agentes encontraram uma plantação de maconha.

Publicidade

Vestido completamente de preto, como se fosse um agente especializado em artes marciais, o Ministro usa um facão para acabar com os pés de  maconha. Pelo jeito, sua bandeira vai ser totalmente contra a descriminalização da droga, o que pode causar problemas com alguns dirigentes do PSDB.  #Governo #Michel Temer