Ministro da Defesa, Raul Jungmann, de acordo com informações do jornal 'O Dia', disse nesse fim de semana, que existem nos bancos de dados brasileiros cerca de 500 mil pessoas que são suspeitas de terem alguma ligação com o #Terrorismo. A lista é formada também com a ajuda de órgãos de inteligência internacionais. A informação chocou muita gente, especialmente depois que o próprio governo brasileiro chegou a dizer que não havia um grande risco dos jogos olímpicos sofrerem algum tipo de ação terrorista. O Ministro ainda anunciou nesse fim de semana uma decisão forte, revelando que todo o plano de segurança será revisto nos jogos olímpicos. Por isso, segundo Raul Jungmann, ele pediu paciência de turistas e também de cariocas, que terão que passar por novos procedimentos de segurança. 

O Ministro ainda informou que os atentados terroristas em Nice, na França, colocarão o país ainda mais atento.

Publicidade
Publicidade

Nas arenas em que serão realizados os jogos esportivos haverá cerca de 10 mil "spotters", que são uma espécie de espiões que fazem parte da Força Nacional de Segurança. Também estarão presentes homens disfarçados do Exército e da Polícia Federal. O Ministro participou de um voo nesta sexta-feira, 15, em um Boing 767. A aeronave foi alugada pelo governo brasileiro para ampliar ainda mais o transporte estratégico da Olimpíada. O avião ficará à disposição dos militares e ficará no Aeroporto Internacional Tom Jobim, afim de ser usado para qualquer emergência. Durante os jogos, também ficará um helicóptero, capaz de transportar vítimas de ataques terroristas. 

Além da ameaça terrorista em si, o Rio de Janeiro já convive com sua violência diária, que é mais previsível, mas mesmo assim jamais foi corrigida ao longo dos anos.

Publicidade

Nesse sábado, 16, por exemplo, um tiroteio chegou a fechar a Linha Vermelha na Baixada Fluminense. Fotos mostraram toda a confusão. Pessoas se aglomeravam no chão para se proteger das balas que eram rajadas no meio da multidão. Famílias tiveram que se aglomerar no meio do chão.  #Justiça