O juiz federal Sérgio Moro indicou nesta quinta-feira, 14, o que pode ser o início do fim da principal investigação contra corruptos no Brasil. Em palestra realizada no estado de Whashington, nos Estados Unidos, ele informou que deve deixar a Operação Lava Lato já no fim deste ano. O terror dos políticos e empresários errados (que são muitos) informou que a maioria dos investigados já havia sido condenado e que apenas novas provas poderiam postergar a Operação que já dura mais de dois anos e se destrinchou em outras apurações, como a 'Custo Brasil' e a 'Boca Livre'. De acordo com Moro, o foco dele foram os crimes envolvendo a maior estatal brasileira, a Petrobrás.

Publicidade
Publicidade

O juiz informou também que o fato dele sair da Lava Jato não significa impunidade. Ele disse que nomes que tem foro privilegiado ou bons advogados ainda devem ser julgados pela mais alta corte do país, o Supremo Tribunal Federal  (STF). O magistrado lembrou que não pode dar um prazo de quando acontecerão esses julgamentos justamente porque o Supremo tem um ritmo bem mais lento do que a #Justiça comum, o que explica o fato de muitas pessoas tentarem recorrer a ele. Entre os nomes que querem a todo custo se verem longe das mãos do juiz de Curitiba, no Paraná, está o do ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores (PT). Ele já questionou diversas vezes a competência de Moro.

Manifestações que devem entrar na história

Enquanto Sérgio Moro, que já foi eleito uma das cem personalidades mais influentes do planeta pela revista americana 'Time', já fala em sua aposentadoria da Lava Jato, brasileiros tentam impedir que isso aconteça.

Publicidade

Uma grande #Manifestação contra a corrupção e a favor do impeachment, que já estava marcada para o dia 31 desse mês, agora também terá como pauta o apoio a Moro e o pedido que ele continue a trabalhar, não cedendo por tanto às pressões. Os protestos devem acontecer em várias cidades brasileiras e são organizados pelas redes sociais. Um dos divulgadores das manifestações é o 'Movimento Brasil Livre'.