Neste sábado, 02, foi realizada a 'Marcha das Vadias', na orla da Zona Sul do Rio de Janeiro. De acordo com a agência EFE, centenas de pessoas participaram do ato e pediam respeito, além da igualdade entre as mulheres. Durante o evento, grupos desenharam cartazes com desenhos de vaginas. Alguns tinham frases em português e inglês, como 'My Pussy é o poder'. A 'Marcha das Vadias' também solicitava o fim do machismo. Durante o ato, que teve tom festivo, algumas mulheres colocaram os seios de fora, enquanto outras desenhavam frases no próprio corpo, como "Meu corpo, Minhas Regras'.

O ato, que foi realizado na orla de Copacabana, teve em sua maioria mulheres, mas alguns homens homossexuais também foram bem-vindos ao grupo.

Publicidade
Publicidade

Os ativistas também criticaram nomes polêmicos da política, como o deputado federal Jair Bolsonaro, eleito pelo PSC carioca. O grupo também pediu a volta da presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT) ao poder, como também a retirada de Michel Temer, do PMDB, que está interinamente na pasta.

Preconceitos sofridos pelas mulheres foram lembrados, além de violências, como o estupro. Durante o ato, foi lembrado o estupro coletivo sofrido por uma menina de 16 anos no próprio estado. Ela alegou ter sido violentada sexualmente por 33 homens. A Polícia Civil indiciou sete homens pelo #Crime que ocorreu em uma comunidade da Zona Oeste. A discussão em torno do tema, como a 'Cultura do Estupro', também foram lembradas. 

A 'Marcha das Vadias' surgiu em 2011 em um evento no Canadá e logo acabou se propagando em todo o mundo.

Publicidade

Nas primeiras manifestações, as mulheres criticavam o fato de muitas vezes as violências sexuais serem argumentadas com o fato dessas garotas usarem supostamente roupas provocantes. No entanto, a maior parte dos casos de violência sexual acontece na própria casa da vítima ou envolvendo pessoas que ela conhece. 

Recentemente, a atriz e ex-modelo Luiza Brunet acusou o ex-companheiro de tê-la agredido violentamente. Ela contou que teve quatro costelas quebradas pelo empresário, que é bilionário.  #É Manchete!