Nesta sexta-feira, 30, o mar do Rio de Janeiro ficou muito revoltado. Uma forte ressaca atingiu a cidade maravilhosa e as ondas do mar acabaram fazendo alguns estragos. Um dos que chamou mais atenção foi o registrado na orla de Copacabana. A onda ficou tão forte que chegou a bater em uma estrutura montada para receber a mídia internacional. Com três metros de altura, não demorou muito para que as ondas também chegassem à Avenida Atlântica, nome da via que cerca a orla da região.

De acordo com a Marinha, essa é a segunda vez que os estúdios midiáticos internacionais são atingidos pela Força da Natureza. Localizados em um ponto nobre da cidade, o Posto 5, os estúdios já haviam sido vítimas de outra ressaca no mês de junho.

Publicidade
Publicidade

Naquela ocasião, a estrutura viu a água retirando grades da edificação. O Comitê então fez uma construção para evitar que novas ressacas prejudicassem a transmissão. Isso foi o que ajudou dessa vez os estúdios a não sofrerem uma ação mais drástica da natureza. 

As ondas dessa vez não foram capazes de destruir a estrutura. No entanto, os estúdios, segundo informações do site Natelinha foram alagados. O portal especializado em televisão disse que isso pode acabar comprometendo a transmissão, especialmente porque muitos cabos elétricos ficam na parte baixa do chão. As primeiras competições dos jogos já começam nesta quarta-feira, 03, mas na sexta-feira, 05, acontecerá a abertura oficial da Olimpíada. A Marinha brasileira teria informado que neste domingo, 31, a ressaca ainda deve continuar, perdendo força apenas no fim da manhã. 

Além de Copacabana, uma estrutura que serviria à vela na Marina da Glória também foi destruída.

Publicidade

O mar não foi o único vilão a se revoltar nesse fim de semana. Os ventos também estavam muito fortes. De qualquer forma, um treinador de Israel criticou a estrutura que se quebrou, dizendo que ela foi muito mal feita. O Comitê Olímpico disse que a estrutura é temporária e que só poderá ser analisada após a ressaca dar uma trégua. Será? #Rio2016