Faltando pouco mais de um mês para o início dos jogos Olímpicos Rio 2016, a cidade do Rio de Janeiro ainda corre contra o tempo para cumprir com os prazos pré-determinados, uma vez que a abertura das olimpíadas está prevista para acontecer no dia 5 de agosto. Porém, a falta de empenho por parte das autoridades brasileiras, juntamente com a burocracia nas leis municipais e estaduais, acabam atrasando a conclusão das obras, conforme o que foi publicado pelo The New York Times, na última sexta-feira, 1º de julho.

O jornal americano acabou caracterizando os #Jogos do Rio de Janeiro como um verdadeiro desastre, ocorrido de forma não natural.

Publicidade
Publicidade

Em meio à grave crise financeira que o estado do Rio de Janeiro enfrenta, o jornal ressalta que tais medidas, adotadas pelo governador Francisco Dornelles, deveriam ser tomadas em caso de desastres naturais, como desmoronamentos ou enchentes. ''Mas os jogos Olímpicos de 2016 poderiam ser algo premeditado e evitado por órgãos governamentais", declara o texto. 

De acordo com a matéria, a lista de problemas impostas ao governo carioca não para de crescer e variam desde o atraso na realização das obras, alto risco para a ocorrência de assaltos ou sequestros, epidemias de dengue e  Zika vírus, baixo efetivo no número de policiais e problemas referentes ao transporte público. Além disso, há falta de profissionais capacitados para trabalhar nos serviços de atendimento às informações turísticas.

Publicidade

Segundo o New York Times, tais problemas estão sendo menosprezados pelos responsáveis na organização.

O jornal cita, também, o recente roubo dos materiais de televisão de uma emissora alemã. De acordo com o boletim de ocorrência, registrado no 34º Batalhão de Polícia Militar, de Magé, um caminhão com equipamentos da emissora ARD, teria sido interceptado por bandidos na noite de 30 de junho, enquanto trafegava pela Avenida Brasil. Segundo depoimento do motorista, ele teria sido interceptado por cerca de 8 bandidos os quais estavam divididos em dois carros. Na hora da abordagem, o motorista foi levado junto com a carga onde permaneceu como refém dos assaltantes por mais de oito horas, sendo liberados na manhã do dia 1º de julho, em um local no meio a linha amarela.

De acordo com os proprietários dos equipamentos roubados, os materiais estão avaliados em mais de 2 milhões de reais. Muito popular na Alemanha, a ARD informa que, com o prejuízo, corre o risco de não ter como transmitir a cobertura dos jogos.

Publicidade

Em nota, a emissora afirma que a princípio começará a montar um pequeno estúdio em meio ao centro do Rio de Janeiro. O Comitê Olímpico do Brasil preferiu não se pronunciar sobre o ocorrido.

Outra falha apontada pelo NYT é referente ao fato de mais de 4 mil famílias terem sido expulsas de suas moradias pelos organizadores do evento onde ressalta, ''Alguém terá que lucrar com a realização dos jogos, mas, com certeza, não será a população do Rio de Janeiro. O governador sempre esteve certo: a realização dos jogos é um caso de calamidade publica”, concluiu a matéria.  #Curiosidades #Corrupção