Angra dos Reis é a segunda cidade carioca a receber o símbolo olímpico, mas ninguém esperava a ação dos manifestantes. A manifestação, que ocorreu na última quarta-feira (27), interrompeu parte da passagem da tocha pela cidade. O protesto foi por conta da suspensão de transporte, pelo atraso do pagamento de salários dos servidores públicos e pelo fechamento da UPA (Unidade de Pronto Atendimento).

Os manifestantes carregavam faixas e cartazes, deixando expostas as suas indignações contra o governo brasileiro. Frases do tipo “Tocha da vergonha” e outras que mostravam a insatisfação com as Olimpíadas Rio 2016, onde diziam que os trabalhadores de Angra não vão arcar com o prejuízo do país, estavam espalhadas pela multidão.

Publicidade
Publicidade

Um dos moradores publicou nas redes sociais que o protesto não foi contra a tocha, mas sim contra o governo. Ele disse que o governo não fez nada de bom nesses últimos quatro anos, mas “maquiou” a cidade em três dias para que esta recebesse a tocha como se tudo fosse lindo por lá.

Os protestos ocorreram na região central e no bairro de Japuíba e com a ação da Polícia Militar, que dispersou os manifestantes, houve muito tumulto. Os manifestantes entraram em confronto com os PMs e com integrantes da escolta da tocha, além de arremessarem pedras contra a comitiva e até nos carros da imprensa.

A PM respondeu com balas de borracha e bombas de efeito moral. Por conta disso, os manifestantes tumultuaram o local e com a correria, uma criança ficou ferida. De acordo com as autoridades do local, a criança foi levada ao Hospital Geral da Japuíba, porém não há informações sobre seu estado de saúde.

Publicidade

A Polícia Militar não informou sobre detidos.

Programação da passagem da tocha em Angra dos Reis foi reduzida

A passagem do símbolo olímpico em Angra dos Reis foi interrompida, sendo carregado em um só dos três trechos do roteiro, que era para ser de 15 km. Sendo assim, a dupla do nado sincronizado Branca e Bia Feres, como também o paracanoista Fernando Fernandes, não puderam carregar a tocha e fazer o revezamento.

Como a manifestação ficou descontrolada, a tocha foi levada a um hotel da cidade. De acordo com a organização, o revezamento da tocha segue normalmente e no dia 28/07 foi a vez de Ilha Grande e Volta Redonda de recebê-la.

#Ataque #Blasting News Brasil #Casos de polícia