A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou nesta sexta-feira, 28, uma medida que mexe com todos os brasileiros. As principais marcas de extrato de tomate do Brasil estão proibidas de serem vendidas no país. A informação foi confirmada pela agência e repercutida nos principais sites do país. A proibição, no entanto, é apenas referente a quatro lotes de quatro marcas diferentes, Aro, Elefante, Predilecta e Amorita, além de um lote do molho de tomate da Pomarola. A notícia caiu como uma bomba, especialmente depois que as donas de casa descobriram o que teria motivado a proibição: pelos de roedores. Sim, um ratinho passou pelos molhos. 

Todas as cinco marcas, de acordo com a Anvisa passaram por rígidos testes e os resultados não foram nada animadores.

Publicidade
Publicidade

De acordo com a agência, o pelo de roedor provoca um grave risco à #Saúde humana. A entidade disse também que o valor encontrado nos testes é além do limite do aceitável. Por isso, as empresas precisarão recolher os estoques dos produtos que ainda estão sendo vendidos nos mercados brasileiros. As marcas descumpriram a lei e podem sofrer punição legal, fora o prejuízo econômico com a retirada dos produtos. 

A decisão da proibição foi anunciada nesta quinta-feira no Diário Oficial da União. De acordo com o jornal 'O Estado de São Paulo', as marcas não se pronunciaram sobre a decisão que pode prejudicar suas vendas. Nas redes sociais, muita gente fez piada com a situação, enquanto outras pessoas se mostraram muito preocupadas. "Gente, hoje mesmo fiz uma macarronada com o molho de uma dessas marcas.

Publicidade

Estou sentindo uma dor estranha, não sei se é psicológico ou realmente me fez mal", disse uma consumidora através do Facebook. 

A determinação é que quem tenha comprado esses produtos não os utilize. O consumidor pode entrar em contato com a Central de Atendimento das marcas e verificar se o lote do produto que comprou faz parte dos que estão proibidos de serem vendidos. Não é a primeira vez que proibições desse tipo acontecem, infelizmente.  #Crime