Nesta sexta-feira, 08, a Revista 'Isto É' publicou em seu site que os peritos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) teriam chegado à conclusão que a campanha da presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), pela reeleição no ano de 2014, foi uma forma de lavar dinheiro no esquema do 'Petrolão'. Oficialmente, o TSE ainda não fez um parecer final sobre a campanha. A reportagem começa lembrando que em abril a Justiça Eleitoral autorizou que a campanha fosse investigada. A suspeita era de que Dilma teria utilizado gráficas durante as eleições para fazer lavagem de dinheiro. 

A Revista alega que fontes confirmam que o relatório do TSE já entrou em sua fase final, o da redação.

Publicidade
Publicidade

Ainda em agosto, a perícia final deve ser divulgada. Segundo os peritos ouvidos ouvidos, mas que não tiveram nome identificado, as evidências da Lavagem de dinheiro de recursos tirados da Petrobras acabaram se confirmando. Isso porque as empresas que imprimiram os materiais de campanha de Dilma não foram capazes de declararem seus serviços prestados para a petista no ano de 2014. Essas empregas são a Red Seg, Focal e VTPB. Todas elas somadas ganharam pelos seus serviços R$ 52 milhões.

A suspeita é que essas empresas tenham sido apenas um meio da campanha lavar dinheiro, que na verdade seria utilizado para pagar propinas e não imprimir o material de campanha. A Focal, por exemplo, acabou sendo a segunda empresa que mais recebeu dinheiro do Partido dos Trabalhadores (PT) durante toda a campanha, cerca de R$ 24 milhões.

Publicidade

Mais do que ela, apenas o marqueteiro João Santana recebeu mais. 

No entanto, nem a Focal, tampouco as duas outras empresas investigadas, tinham notas fiscais que comprovassem os pagamentos, compra de materiais, empregados para fazerem o serviço e outras coisas estranhas. Nem mesmo extratos bancários foram achados comprovando a movimentação financeira para gerir a campanha. Segundo a Revista, os peritos teriam chegado à conclusão que essas empresas funcionaram como laranjas durante as eleições, sendo usadas pela legenda que reelegeu a presidente, que hoje luta contra um processo de impeachment. #Governo #Eleições 2016