Nesta sexta-feira, primeiro de julho, a Polícia Federal começou mais uma etapa da Operação Lava Jato, que investiga dinheiro de corrupção desviado da maior estatal brasileira, a Petrobrás. O empresário Lúcio Funaro, ligado ao ex-presidente da Câmara dos deputados, Eduardo Cunha (PMDB - RJ), acabou sendo preso na cidade de São Paulo. A informação da ligação entre o doleiro e Cunha foi relatada à Polícia Federal por delatores da Lava-Jato. 

A investigação também teve o poder de realizar buscas e apreensões na Eldorado, empresa que faz parte do grupo J&F investimentos. O grupo é dono também dá JBS, controladora da marca de carnes Friboi.

Publicidade
Publicidade

À TV Globo, a Friboi negou que seja alvo da operação. Provas encontradas pelos policiais na Eldorado prometem revelar mistérios e informações importantes da #Lava Jato. Na internet, há anos paira um boato de que a Friboi seria administrada por Lulinha, filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No entanto, a informação nunca foi comprovada. Pelo contrário, Lula, a Friboi, a JBS e Lulinha sempre negaram a ligação. 

A casa de Joesley Batista, que preside o conselho administrativo da controladora da Friboi e que dirige a J&F, também sofreu mandado de busca e apreensão. Outro empresário, Henrique Constantino, também está sendo alvo da Lava Jato. Existe um projeto de lei no Congresso Nacional que pode atrapalhar a principal investigação no país. Ele faz com que a Polícia, por exemplo, só possa realizar prisões com provas contundentes, especialmente quando envolver poderosos.

Publicidade

O projeto tem sido muito criticado.

Recentemente, o Supremo Tribunal Federal (STF) aprovou que as prisões já podem acontecer em segunda instância, evitando que os condenados passem toda a vida lutando na justiça para evitar a prisão com recursos. Essa medida também pode cair, caso o projeto de lei seja aprovado.

A Lava Jato acabou culminando em diversas operações paralelas, como a 'Custo Brasil', que na semana passada prendeu o ex-Ministro do Planejamento Paulo Bernardo. Ele foi solto por Dias Toffili, Ministro do STF.  #Investigação Criminal