Na manhã dessa quinta-feira (21), certamente evidenciou a competência e a eficiência da #Polícia Federal, que deflagrou uma operação de alcance internacional e que visa combater o maior mal da humanidade nesse século, o #Terrorismo. Segundo reportagem divulgada pelo jornal “O Globo”, dez suspeitos foram presos acusados de estar tramando atos terroristas nos Jogos Olímpicos Rio 2016. A operação deflagrada hoje foi apelidada de "Hashtag".

O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, concedeu uma entrevista coletiva para tratar o assunto com o mundo, já que a disputa dos Jogos Olímpicos é um evento de importância mundial.

De acordo com o ministro, foram expedidos na manhã de hoje 12 mandados de prisão temporária pelo prazo de 30 dias em 10 estados brasileiros.

Publicidade
Publicidade

Moraes afirmou que as primeiras prisões foram realizadas nos estados de São Paulo e Paraná. As prisões já entraram para a história, pois serão as primeiras que terão como base a lei brasileira antiterror.

Ministro afirmou que grupo foi recrutado pelo Estado Islâmico

Alexandre de Moraes confirmou o envolvimento do grupo Estado Islâmico no recrutamento dessas pessoas. Segundo Moraes, o recrutamento aconteceu via internet, sendo que, um dos mentores dos possíveis atos terroristas, já foi apreendido na operação deflagrada hoje.

A inteligência da Polícia Federal descobriu o intuito do grupo de fazer atos terroristas através de monitoração de comentários simples, feitos por integrantes do grupo, via Telegram e Whatsapp. As mensagens do grupo evidenciavam que “atos preparatórios” de ataques terroristas seriam feitos nos próximos dias.

Publicidade

Quebras de sigilo de dados e telefônicos também foram feitos, dessa forma, os investigadores descobriram que o grupo também preconizava a intolerância racial, religiosa e de gênero. Os investigadores também descobriram que o grupo sabia táticas de guerrilha e fazia uso de armas.

O nome dos indivíduos presos hoje ainda não será divulgado para que seja garantido o sucesso do andamento das novas fases de investigação. #Rio2016