A Receita Federal deverá liberar na próxima sexta-feira, 8 de julho, a partir das 9 horas, a consulta ao segundo lote de restituição do Imposto de Renda 2016 e também aos  lotes residuais do IRPF dos exercícios de 2011 a 2015. A consulta poderá ser feita pelo site www.receita.fazenda.gov.br ou pelo Receitafone (146, opção 3). Os valores serão depositados no dia 15 de julho no banco e na agência informados na declaração.

Caso o dinheiro não seja creditado na conta informada, o contribuinte poderá contatar pessoalmente qualquer agência do Banco do Brasil ou ligar para a Central de Atendimento por meio do telefone 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729- 0088 (deficientes auditivos), para agendar o crédito em conta corrente ou poupança, em seu nome, em qualquer banco.

Publicidade
Publicidade

O valor é corrigido pela Selic (taxa básica de juros), mas após cair na conta do contribuinte, o montante não recebe nenhuma atualização. A restituição ficará disponível no banco durante um ano. Se o contribuinte não fizer o resgate nesse prazo, deverá pedi-la pela internet, usando o Formulário Eletrônico - Pedido de Pagamento de Restituição, ou diretamente no portal E-cac.

Uma novidade neste ano é que a Receita, além de mostrar se o contribuinte receberá restituição no lote em questão, passou a informar se a situação do contribuinte está regular ou não. Caso não haja nenhuma inconsistência, aparecerá a seguinte mensagem: "Processada - em fila de restituição".

Nesse caso, basta aguardar os próximos lotes de restituição que neste ano serão em 15 de agosto, 15 de setembro, 17 de outubro, 16 de novembro e 15 de dezembro.

Publicidade

Em geral, a Receita libera a consulta aos lotes uma semana antes destas datas.

Mas, caso a declaração não tenha sido processada ainda, o contribuinte receberá uma mensagem que sua declaração está na base de dados da Receita Federal. Nesse caso é importante consultar o extrato da declaração e ver como está o seu processamento. Se constar problemas, é possível se antecipar à intimação da Receita e agilizar a regularização da documentação. #Governo #Imposto de Renda