O dia a dia de trabalho dos jornalistas não é fácil. Que o diga a colega Larissa Fernandes, repórter da TV Paraíba, afiliada da Rede Globo de Televisão em Campina Grande, no Nordeste brasileiro. Ela gravava uma reportagem sobre a sensação de insegurança em frente ao Campos de uma universidade local. Até aí, tudo bem, mas o que Larissa não esperava é que ela mesma fosse virar a personagem principal  de sua reportagem. Durante as gravações, um homem roubou o celular da profissional da mídia. Desesperada, ela começou a gritar e tentar chamar a polícia. Um carro com profissionais de segurança estava a apenas 50 metros do local, mas não atendou a jornalista nem mesmo depois que ela foi roubada.

Publicidade
Publicidade

Triste com a situação, Larissa ficou nitidamente fragilizada. Ela disse que o celular que foi roubado era um instrumento de trabalho e com ele se comunicava com a redação. Com a voz embarga e quase chorando, a repórter da Globo continuou sua jornada para tentar registrar uma ocorrência sobre o caso. Tudo foi filmando, inclusive, o registro feito em uma delegacia local. As imagens são do colega de trabalho de Larissa, o cinegrafista Aídes Brasil. Além dele, a repórter também contava com a ajuda de um assistente, identificado pelo G1 como Henrique Epifanio.

No momento do assalto, ela estaria se comunicando com a redação. De acordo com a repórter, ela já estava no local há alguns dias mostrando a jornada dos alunos contra o #Crime. A ação criminosa aconteceu justamente onde existem mais assaltos, perto de um ponto de ônibus utilizados pela universidade pública de Campina grande.

Publicidade

A jornalista disse que jamais imaginou que fosse ser assaltada durante uma reportagem sobre a sensação de insegurança. 

Depois de muito alarde da repórter, os policiais apareceram, chegaram a fazer algumas abordagens, mas o suspeito não foi encontrado. A TV Paraíba não informou se daria outro aparelho telefônico móvel para sua funcionária, já que o utilizado por ela foi assaltado durante a reportagem. É isso. Vai ser difícil agora ela se comunicar com a redação.  #Investigação Criminal