Uma das mortes mais polêmicas que já atingiu o cenário nacional foi a do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB). Ele faleceu no ano de 2014, um dia depois de dar uma polêmica entrevista ao vivo para o 'Jornal Nacional'. Naquela ocasião, ele era candidato à presidência da república e vinha em uma chapa com a ex-Senadora Marina Silva, do Acre. A aeronave que ele estava acabou tendo um problema durante o voo e caiu. O avião teve sua queda em uma região habitável e todos os tripulantes, inclusive Campos faleceram na hora. 

Como estava em uma disputa eleitoral contra grande nomes, como a presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), e Aécio Neves (PSDB), boatos e teorias da conspiração logo surgiram.

Publicidade
Publicidade

 Muitas pessoas acreditam que não houve acidente, mas sim um atentado contra o político. Durante as investigações, no entanto, isso nunca ficou provado. Em 2014, coube a então vice da chapa de Campos, Marina Silva, ocupar o seu lugar. Ela chegou a ficar em primeiro lugar em algumas pesquisas, mas depois de muita campanha negativa, não chegou a ter fôlego para ir ao segundo turno. 

Agora, de acordo com a Coluna Estadão em reportagem publicada nesta sexta-feira, 15, a Polícia Federal busca em outros países tecnologia que possibilite a leitura do chip do celular do ex-governador Eduardo Campos encontrado nos escombros do acidente aéreo que o matou em 2014. Esse chip pode conter informações reveladoras, que podem enfim explicar como tudo aconteceu. A Polícia Federal também iniciou desde o ano da #Morte do político uma operação, batizada de 'Turbulência', quando foram descobertos esquemas de irregularidades envolvendo empresas que trabalharam na campanha de Campos, inclusive a que comprou a aeronave que caiu.

Publicidade

Para piorar tudo, o empresário que deu o avião para Eduardo utilizar foi encontrado morto recentemente em um hotel do Nordeste. A perícia identificou que ele foi envenenado. Uma das principais hipóteses apontadas pela Polícia é a de suicídio. No entanto, mais uma vez muita gente diverge disso.  #É Manchete!