A socialite Val Marchiori pode ser ré e sentar no banco dos que são julgados. Isso porque, de acordo um reportagem do 'Estado de São Paulo' publicada nesta segunda-feira, 11, o Ministério Público Federal não concordou com uma decisão da Justiça Federal, que absolvia Val pelo #Crime do Colarinho branco. A decisão que beneficiou a 'Mulher Rica' foi dada em maio, quando a Justiça decidiu não abriu um processo contra a personalidade da mídia. Além de Val, são acusados pelo MPF o irmão dela, Adelino Marcos, e o gerente  do Banco do Brasil, que teria facilitado um empréstimo irregular, Alexandre de Melo Canizella. Os três até então não respondiam pelo crime de empréstimo adquirido por meio de fraudes. 

Valdirene Aparecida, nome verdadeiro de Val, teria em 2013 conseguido um empréstimo de quase R$ 3 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento, o BNDES, para comprar novos caminhões para sua transportadora.

Publicidade
Publicidade

A denúncia do Ministério Público diz que esse empréstimo é irregular e que o trio descrito na reportagem teria alterado o nome da empresa que receberia os benefícios do banco nacional. 

Com a alteração na razão social, a empresa de transportes de Val, conseguiu comprar cinco caminhões e mais cinco reboques. O problema é que os bens foram para a empresa do irmão de Marchiori, a Veloz Empreendimentos Participações. A investigação diz que Adelino, irmão da apresentadora, conseguiu "induzir" Val a realizar a operação ilegal. 

A empresa de Val, a Torlke, no entanto, também não poderia receber o crédito do banco estatal. Isso porque nunca trabalhou no transporte rodoviário. Para o Ministério Público, a falcatrua só conseguiu ser feita graças à atuação de um gerente do Banco do Brasil, que trabalha em uma agência de São Paulo.

Publicidade

Seria ele, por exemplo, que teria falado para a loira mudar o nome da Razão Social da empresa. Tudo para facilitar com que o empréstimo fosse adquirido. 

A socialite já se manifestou publicamente que não cometeu qualquer irregularidade e que estão tentando querer derrubá-la. Apesar disso, ela garante não estar abalada com os últimos acontecimentos.  #Investigação Criminal