Este primeiro de julho entrará para a história das Forças Armadas brasileiras. Isso porque o presidente em exercício, #Michel Temer, do PMDB, decidiu devolver ao Exército, Marinha e Aeronáutica o poder retirado durante a gestão da presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). O peemedebista em cerimônia especial devolveu a competência aos comandantes das Forças Armadas de nomear cargos importantes, o que na gestão de Dilma chegou a passar para as mãos da própria presidente e, mais tarde, para o Ministério da Justiça. 

O evento não foi transmitido ao vivo pela NBR, a TV do governo federal, porque Temer pediu que fosse economizado dinheiro com esse tipo de transmissão, que durante o governo de Dilma bateu recordes.

Publicidade
Publicidade

A imprensa também não poderá participar do ato histórico, que só deve ter registros gravados por membros do próprio governo. A decisão também é para evitar o discurso do PT e que está existindo um "golpe" no país. Isso porque agora o Exército pode tomar decisões fortes quando quiser, não necessitando de tanto apoio quanto antes. 

O decreto polêmico assinado por Dilma foi datado em setembro do ano passado. A partir daí, muitos militares criticaram publicamente Rousseff. Durante todo o processo de impeachment, no entanto, as Forças Armadas evitaram ao máximo se pronunciar sobre a investigação contra a presidente, atendo-se apenas a ajudar na segurança de algumas investigações. O PT, através de seu comando central, chegou a publicar uma resolução em que lamentava não ter tirado ainda mais poder do Exército, o que gerou a ira dos militares. 

A crise militar foi alvo de vários jornais.

Publicidade

Agora a assinatura de patentes volta para cada comandante da respectiva área geral das Forças Armadas. Além de retirar o poder, Rousseff foi acusada de promover um sucateamento do Exército. Isso porque a verba para a instituição teria sido muito pequena, o que provocou muitas vezes que determinadas ações fossem evitadas ou simplesmente não realizadas. Agora, pelo jeito, as coisas mudam.