Não se fala de outra coisa quando o assunto é a Olimpíada. Faltando cerca de quinze dias para os jogos do Rio de Janeiro, a segurança ainda é uma preocupação. Apesar do governo dizer o tempo todo que não há grande risco de um ataque terrorista, pouca gente leva fé nessa informação e quer saber como será o aparato real da segurança dos jogos. Bom, a depender de um grupo de profissionais e de seu salário, as coisas podem ficar complicadas. A Folha de São Paulo publicou uma denúncia grave nesta quinta-feira, 21. Alguns homens e mulheres que vão trabalhar no "auxílio ao controle de acesso aos Jogos", uma das funções mais importantes contra o terrorismo, ganharam, acreditem, apenas R$ 26 por dia.

Publicidade
Publicidade

Não, a matéria não comeu nenhum número. São realmente vinte e seis reais por dia. Ahh.. ainda tem um lanchinho. 

A formação desses agentes não foi muito exigente. Eles não precisavam ter qualquer experiência e como escolaridade era pedido o ensino médio. O curso para ensinar como lidar com possíveis criminosos ocorreu pela internet. Dessa forma, cinco mil homens e mulheres foram contratados. Eles também receberam um diploma online e poderão colocar em seus currículos que trabalharam nos jogos. Além de detectar metais em pessoas que vão às partidas e competições, o pessoal formado via internet trabalhará com aparelhos de raio-x. 

Mesmo faltando 16 dias para o início da Olimpíada, muitas pessoas ainda não foram formadas. Ou seja, basicamente não haverá muito tempo para um trabalho prático.

Publicidade

Os jogos começam na sexta-feira, 05. Além da análise de currículo, os interessados em trabalhar nessa função participam de uma palestra, leem uma apostila e fazem uma prova. Seguranças ouvidos pela Folha dizem que isso é um improviso feio e pode acarretar falhas e risco na segurança.

Quem cuidará dessa função é uma empresa terceirizada, o que explica os salários baixíssimos para a função. É como dizer que essas pessoas ganharão menos de um salário mínimo. A empresa é a Artel Recursos Humanos. Por pregão, ela cobrou R$ 17,3 milhões. #Rio2016