Depois da polêmica envolvendo a possibilidade de ataques terroristas no Rio de Janeiro, os profissionais de segurança brasileiros decidiram pedir "socorro". Por isso, a Polícia Federal terá a ajuda de mais de 100 países durantes os jogos na cidade maravilhosa. As forças de segurança, segundo uma reportagem do jornal carioca 'O Globo' desta quarta-feira, 20, chegam ao Brasil já na próxima semana. A partir daí começa oficialmente a segurança para os jogos. O anúncio da ajuda de mais de 100 países foi feito pelo Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, em comunicado realizado em Brasília na noite desta terça-feira, 19. 

Ao avisar da ajuda extra, Alexandre de Moraes ainda falou sobre os aparatos tecnológicos que ajudarão os militares.

Publicidade
Publicidade

Segundo ele, serão tanques, caças e homens que estarão de prontidão para encontrar qualquer tipo de ameaça. Se qualquer um dos militares achar que precisa tomar alguma atitude contra uma possível ameaça, ações mais drásticas serão permitidas. Uma das ações que gerou polêmica é o corte de sinal telefônico perto de onde acontecem as disputas por medalhes. Nessa semana, operadoras chegaram a fazer testes em bairros da cidade, especialmente com o uso da internet. O Ministro disse que essa ação de "corte" é muito comum em todo o mundo e que já foi feita aqui no Brasil em 2011, quando o presidente americano, Barack Obama, veio discursar no Rio de Janeiro. 

A ação tem gerado polêmicas entre os cariocas, que tem medo de dificuldades de comunicação durante os jogos. No entanto, especialistas garantem que a medida só atingirá as regiões bem próximas às disputas.

Publicidade

Curiosamente, em presídios brasileiros e´muito comum encontrar criminosos que fazem uso do aparelho telefônico. Inibidores de sinais de telefonia chegaram a ser instalados em alguns deles, mas a efetividade acabou não durando muito tempo. Mesmo dentro da cadeia, detentos conseguem realizar crimes, como o do falso sequestro. Para isso,eles ligam a cobrar para as vítimas e fingem estar com alguns parentes delas.  #Terrorismo #Rio2016