Neste domingo, 31, mais um evento polêmico aconteceu e que envolve a Olimpíada do Rio de Janeiro. Um segurança, pago para proteger o parque olímpico da Barra da Tijuca, acabou sendo flagrado em atos libidinosos forçados. De acordo com informações do jornal Extra, o segurança em questão foi identificado como Genival Ferreira Mendes. Ele é um dos empregados terceirizados que fica na região olímpica, sendo contratado pela Gocil. Genival foi preso por militares em flagrante na região do Velódromo. A prisão aconteceu na madrugada desde domingo e realizada por homens da Força Nacional de Segurança, que trabalham também em outros locais, como no revezamento da Tocha Olímpica. 

Após a prisão, o segurança foi levado para a delegacia da Barra da Tijuca.

Publicidade
Publicidade

Em entrevista ao jornal Extra, o delegado titular da região, Marcus Vinícius Braga, informou que o suspeito tirou proveito do momento em que uma bombeira civil descansava. Ao vê-la dormir, ele começou a passar a mão embaixo do uniforme da vítima. Quando os homens da Força de Segurança viram a cena, a mulher em questão estava dormindo em sono profundo, não percebendo que estava sendo molestada. 

O segurança preso não é do Rio de Janeiro. Genival é de São Paulo e costuma usar sites como o Facebook para mostrar fotos polêmicas, como por exemplo, uma em que ele aparece com dois revólveres. De acordo com o Comitê Olímpico Internacional, a Gocil tem emprego em vigor com a organização. A entidade explica que a empresa terceirizada trabalha em várias instalações diferentes, como também auxiliando os profissionais de mídia de todo o mundo.

Publicidade

No local onde ocorreu o estupro haverá as competições por medalhas no ciclismo. Em nota, o Comitê Rio-2016 informou que não concorda com esse tipo de desrespeito e violência. Segundo a entidade, o caso, se comprovado, terá todas as medidas cabíveis tomadas. O Comitê lembra que o ato foi registrado em uma delegacia e que o segurança agora está à mercê das leis brasileiras. Os funcionários que são contratados precisam seguir uma espécie de código de ética.  #Crime #Investigação Criminal