Essa semana não foi tão movimentada na política como nas anteriores. Tirando a eleição para a presidência da Câmara dos deputados, que mobilizou a atenção da mídia, o que deu assunto mesmo foram o ataque terrorista ocorrido em Nice, na França, que deixou 84 mortos, e a tentativa de golpe militar na Turquia, que acabou não sendo bem sucedida. Enquanto tudo isso acontecia, os trabalhos no Senado postergavam e iam bem além da discussão do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT).

A discussão envolveu o Senador José Medeiros, eleito pelo PSD do Mato Grosso, e a Senadora Fátima Berra, do Rio Grande do Norte.

Publicidade
Publicidade

Ele fez duros ataques ao polêmico projeto do 'Escola sem Partido', que tenta evitar que professores deem sua opinião sobre fatos históricos e atualidade nas escolas. Essa seria uma das estratégias da esquerda na tentativa de conquistar novos públicos, mas que nunca na prática realmente funcionou. 

O Congressista José Medeiros comentou que o poder não é dado, mas que muitos grupos tentam chegam ao poder e para isso utilizam muitas armas. Uma delas seria a do convencimento e nenhum lugar melhor para fazer isso do que a escola. Ele citou os ídolos de muitos esquerdistas Stalin e Leni, que defendiam que o poder fosse adquirido com a força. O senador continuou seu discurso e reforçou que “há doutrinação, sim”, de estudantes no país, e que o prejuízo deixado pelo PT na Petrobras “ é incomparável, quando se fala do que está sendo feito no currículo dos estudantes brasileiros. 

No entanto, o Senador é contra amordaçar os professores.

Publicidade

Ele defende que uma solução diferente seja encontrada. Isso porque todos os pais se preocupam com quem forma seus filhos e como será o Brasil formado por eles no futuro. A maioria dos grupos de professores é contra ao projeto do 'Escola Sem Partido', chamando a tática de censura e de, na prática, ser impossível de controlar. 

Veja abaixo o momento em que os dois Senadores discutem sobre um dos temas mais polêmicos do Congresso:

#Governo #PTB